29.3.18

Resenha: Deixada Para Trás


Autor: Charlie Donlea
Editora: Faro Editorial
Número de páginas: 368
Ano: 2017
Avaliação:  ☆☆☆☆☆
Sinopse: Nicole Cutty e Megan McDonald são alunas do ensino médio na pequena cidade de Emerson Bay, Carolina do Norte. Quando elas desaparecem de uma festa na praia em uma noite quente de verão, a polícia inicia uma busca maciça. Nenhuma pista é encontrada e a esperança é quase perdida, até Megan milagrosamente aparecer depois de escapar de um bunker no fundo da floresta.Um ano depois, o best-seller de sua provação transformou Megan de heróina local para celebridade nacional. É uma história triunfante e inspiradora, exceto por um detalhe inconveniente: Nicole ainda está desaparecida.
A irmã mais velha de Nicole, Livia, é uma perita forense e espera que em um breve dia o corpo de Nicole seja encontrado e entregue a alguém como ela para analisar as provas e finalmente determinar o destino que sua irmã teve. Em vez disso, a primeira pista para o desaparecimento de Nicole vem de outro corpo que aparece no necrotério, de um jovem ligado ao passado de Nicole. Livia vai até Megan para pedir ajuda, esperando descobrir mais sobre a noite em que as duas foram levadas. Outras meninas também desapareceram e Livia está cada vez mais certa de que os casos estão conectados.
Mas Megan sabe mais do que ela revelou em seu livro best-seller. Flashes de memória estão se juntando, apontando para algo mais escuro e mais monstruoso do que sua memória descreve. E quanto mais ela e Livia cavam, mais elas percebem que às vezes o verdadeiro terror está em encontrar exatamente o que você está procurando.

Megan e Nicole moram em Emerson Bay, após uma festa à beira do lago elas são sequestradas e a partir daquele momento toda a policia está em uma busca frenética atrás das garotas. 
Sem pista alguma das garotas, as pessoas começam a perder as esperanças, mas uma bela noite Megan consegue fugir do local em que estava sendo mantida em cativeiro.

Ao pedir ajuda para um carro na estrada a sua sorte começa a mudar, mas naquele momento ela descobre uma noticia assustadora ... onde está a outra garota que foi sequestrada?
Apenas Megan estava naquele local, não foi encontrado nenhum vestígio de Nicole. Na verdade, ela nem sabia que Nicole também estava desaparecida.

Um ano se passou e ninguém tem pista alguma sobre Nicole. Enquanto Megan está sendo exaltada pela mídia como uma sobrevivente, Nicole está sendo esquecida e continua desaparecida. 
Lívia a irmã mais velha de Nicole, decidiu seguir carreira em patologia forense. Ela deseja levar paz para as famílias, ela deseja ser excelente em seu trabalho, pois ela gostaria que alguém tivesse esse tipo de cuidado caso encontra-se o corpo de sua irmã.
Quem sabe um dia ela não seja a pessoa que irá analisar o corpo da irmã, ela ficaria em paz em saber como sua irmã morreu.

Lívia usa seu tempo para estudar e praticar defesa pessoal, ela precisa não apenas manter-se segura como também extravasar a raiva. Afinal, ela sente-se culpada por não ter atendido a ligação da irmã. Caso ela tivesse atendido, talvez Nicole tivesse tido uma chance e agora não estaria desaparecida. 
Um belo dia o corpo deteriorado de um jovem chega para analise, mas nada faz muito sentido naquele caso e em uma reviravolta interessante a patologista forense descobre que aquele rapaz anteriormente era o namorado de sua irmã.

Então embarcamos em uma jornada interessante, descobrindo pistas e tentando desvendar o mistério sobre o sequestro de Nicole. Lívia nem sequer imagina que as coisas que irá descobrir sobre a irmã serão fortes demais, mas ela precisa solucionar esse mistério.
Ela acaba pedindo ajuda de Megan que também se sente culpada, enquanto ela está nos holofotes, Nicole está sendo deixada de lado. Parece que quase ninguém se importa se Nicole está viva ou não, eles só querem esquecer essa tragédia e exaltar Megan por ter conseguido escapar.

O livro intercala entre passado e presente, fazendo com que o leitor vá montando as peças aos poucos e a cada momento você pode desconfiar de alguém, qualquer um pode ser o sequestrador. 
A história é muito bem escrita, o leitor fica completamente eufórico com esse mistério. Quando algumas reviravoltas começam a acontecer você não sabe mais o que fazer, mas uma coisa é certa: terminar o livro é prioridade para que você possa descansar seu pobre coração.

Infelizmente eu tenho um sério problema com livros assassinos e etc, pois em quase todos os livros eu descubro quem está por trás das coisas antes do "ideal". Então só me resta descobrir a motivação.
Isso sempre acontece em capítulos que não tem nada muito importante e quando eu percebo eu descobri quem é; deve ser um "dom".
Mas, falando sério eu estou lendo atualmente o primeiro livro de uma série e no sexto capítulo descobri quem matou a menina; assim fica difícil de me surpreender. 

O final é eletrizante e se não fosse a minha "habilidade" eu não imaginaria quem estaria por trás de tudo isso. Chega a ser surreal como foi bem bolado toda a trama e como o sequestrador é alguém quase inimaginável. 
Foi a minha primeira vez lendo algo do autor e com certeza pretendo ler outros livros assim que surgir oportunidade.

Se você gosta de um livro cheio de suspense, perturbador e quase insano, essa é uma boa pedida. 
Não encontrei qualquer erro durante a leitura, a diagramação está maravilhosa. Podemos observar que os flashs backs são colocados em páginas de cor cinza e fica ótimo de acompanhar visualmente a mudança entre passado e presente, pois as páginas que contam o presente são amareladas. 

Uma vida pode acabar, mas as vezes um caso dura para sempre.

27.3.18

Sorteio: 8 anos do blog Pétalas de Liberdade


No dia 27 de março, o blog literário Pétalas de Liberdade completa 8 anos de existência. E para comemorar, com blogs e canais amigos, montamos um sorteio de 32 livros, divididos em 4 kits, com 8 livros em cada kit.

25.3.18

Compre na Pré-Venda: Os Segredos dos Olhos de Lady Clare

Sinopse: Enquanto investiga a causa do aumento de bandidos em Troyes, sir Arthur Ferrer encontra a misteriosa Clare, uma possível filha ilegítima do conde de Fontaine, da Bretanha. Ele então percebe que ela pode ser a chave para a sua própria salvação. A honra exige que Arthur a leve até o pai para que possa ser reconhecida, mas O desejo prefere que ela fique em seus braços. Será possível conciliar honra e desejo?A autora Carol Townend mais uma vez convida as leitoras para uma viagem inesquecível de volta a condados, cortes e reinos e às incríveis histórias de amor entre nobres da (nem tão) alta sociedade da época.

Compre na Pré-Venda: O Amante da Princesa


Sinopse: Maria Amélia de Bragança é princesa do Brasil, prometida a Maximiliano Habsburgo, arquiduque da Áustria. Mas não há nada que ela deseje menos do que esse casamento: como alguém pode querer que ela se case com um homem que nem sequer conhece?O que Amélia não esperava é que seu noivo chegasse ao Palácio das Janelas Verdes, em Lisboa, acompanhado do amigo Klaus Brachmann, um homem charmoso e experiente que se sente compelido a seduzir a princesa apenas pelo prazer da conquista.
Uma viagem inesperada que Maximiliano precisa fazer se mostra a oportunidade perfeita para que Klaus ensine uma coisinha ou outra a Amélia entre quatro paredes... E, conforme o jogo avança, a possibilidade de casamento se torna cada vez mais remota para a princesa, que agora precisa proteger seu coração a todo custo.

Lançamento: O Fim do Mundo é Aqui - Rocco Jovens Leitores


Sinopse: Vamos até lá em silêncio. Eu olho para minhas mãos. Tem quatro arcos perfeitos onde minhas unhas se cravaram na pele e uma linha da vida normal. Perfeitamente reta, de tamanho médio. Eu achava que o destino era fluido, porque não é essa a mensagem de todos os filmes da Disney e desenhos animados que passam na televisão?Você faz escolhas. Você decide como será sua vida. Eu sempre achei que sua linha da vida mudaria se algo mudasse, bum, algo dá errado e a linha na palma da sua mão se entorta toda. Não. Continua igual.
Cravo as unhas na minha palma de novo e olho para a frente. Quem consegue ficar mais tempo sem piscar. Vamos lá, universo. Eu e você, aqui, agora.

Lançamento: Todas as Coisas Belas


Sinopse: Você é livre para ser quem quiser - mesmo que isso tenha um preço
Depois de O lado bom da vida, Matthew Quick cria romance para todos que desejam se encontrar Consagrado no Brasil com o best-seller O lado bom da vida, Matthew Quick traz ao público jovem uma ode à liberdade, abordando as complexas questões de identidade que marcam a transição para a idade adulta.
Aos 18 anos, Nanette O’Hare é a típica boa garota. NO fundo, porém, ela nunca se sentiu realmente parte do grupo, sufocando em um permanente desconforto com diversas atitudes das amigas e com os padrões sociais. MAs tudo muda quando, no último ano do colégio, ela ganha um livro de seu professor preferido, o clássico cult O ceifador de chicletes, e fica fascinada com a mensagem de que ela pode ser de fato quem é. NAnette se torna amiga do recluso autor e se apaixona por Alex, um jovem poeta que também é fã do livro. ENcantada com esse novo mundo que se abre, ela se permite, pela primeira vez, tomar as próprias decisões. NO entanto, aos poucos Nanette percebe que a liberdade pode ser um desejo arriscado e começa a se perguntar se a rebeldia não cobra um preço alto demais.
O lançamento está previsto para esse mês

22.3.18

Compre na Pré-Venda: A Caçadora de Dragões

Sinopse: Primeiro volume de uma trilogia fantástica, em que dragões e humanos estão em guerra — e cabe a uma garota matar todos eles.Quando era criança, Asha, a filha do rei de Firgaard, era atormentada por sucessivos pesadelos. Para ajudá-la, a única solução que sua mãe encontrou foi lhe contar histórias antigas, que muitos temiam ser capazes de atrair dragões, os maiores inimigos do reino. Envolvida pelos contos, a pequena Asha acabou despertando Kozu, o mais feroz de todos os dragões, que queimou a cidade e matou milhares de pessoas — um peso que a garota ainda carrega nas costas.
Agora, aos dezessete anos, ela se tornou uma caçadora de dragões temida por todos. Quando recebe de seu pai a missão de matar Kozu, Asha vê uma oportunidade de se redimir frente a seu povo. Mas a garota não vai conseguir concluir a tarefa sem antes descobrir a verdade sobre si mesma — e perceber que mesmo as pessoas destinadas à maldade podem mudar o próprio destino.

Resenha: A Parte que Falta


Autor: Shel Silverstein
Editora: Companhia de Letrinhas
Número de Páginas: 112
Ano: 2018
Avaliação:  ☆☆☆☆☆
Sinopse: O protagonista desta história é um ser circular que visivelmente não está completo: falta-lhe uma parte. E ele acredita que existe pelo mundo uma forma que vai completá-lo perfeitamente e que, quando estiver completo, vai se sentir feliz de vez. Então ele parte animado em uma jornada em busca de sua parte que falta. Mas, ao explorar o mundo, talvez perceba que a verdadeira felicidade não está no outro, mas dentro de nós mesmos.Neste livro, leitores de todas as idades vão se deparar com questionamentos sobre o que é o amor e quanto dependemos de um relacionamento ou parceira para nos sentirmos plenamente felizes.

Nesse livro infantil somos apresentados a diversas reflexões. O personagem principal é um ser circular que está incompleto e entra em uma grande busca para achar a parte que está faltando, mas será que essa busca terá um fim?
Durante sua jornada ele vai mostrando ao leitor as coisas que lhe agradam, ele acaba encontrando várias partes durante a jornada, mas nenhuma parece encaixar corretamente nele. Tem parte que quebra, parte que é pequena demais, grande demais e tem parte que não é parte de ninguém, ela já se sente completa.
Sua busca não é feita apenas de coisas boas, em seu caminho o ser circular encontra diversos desafios. 

Mas, ao encontrar uma parte que lhe cabe perfeitamente as coisas começam a mudar. Ele não consegue aproveitar as situações que antes lhe proporcionavam felicidade.
Não consegue cantar, maravilhar-se com uma borboleta pousando nele ou até mesmo parar para conversar.

Então em meio a muitas reflexões, podemos perceber como isso se encaixa na vida do ser humano. As vezes procuramos algo que está faltando em nossa vida, ao invés de pensarmos o quanto já somos completos. Sempre vai faltar alguma coisa em algum aspecto da sua vida, é preciso saber lidar com as faltas.
Nem sempre tapar todos os buracos vai ser suficiente, pois em algum determinado momento você sempre irá achar que algo está faltando.

Deixamos de aproveitar os pequenos prazeres da vida em busca de um ideal de perfeição praticamente inalcançável. Preferimos dar lugar para o "ser completo" segundo os padrões que são impostos, do que dar lugar para o ser feliz
O livros nos mostra e nos faz refletir que você já é completo, você já é suficiente, você precisa desapegar dessa ideia de que necessita de uma parte para ser inteiro.
Infelizmente lidar com essa incompletude não é nada fácil.

De um jeito simples, delicado e certeiro A Parte que Falta toca fundo no leitor de várias formas. Gostei muito da leitura e com certeza não imaginava que iria ficar tão apaixonada por esse livro. 
O livro está sendo relançado pela Companhia das Letrinhas e trata-se de um exemplar que possui capa dura.
Vale muita a pena dar uma olhada nesse livro, é uma excelente aquisição para a sua coleção literária.
Não sou a parte que te falta. Não sou parte de ninguém. Sou parte completa (...)

Lançamento: It Girl - Rocco Jovens Leitores


Sinopse: Objetivos de vida de Anna Huntley:
1. Manter a amizade com os meus dois maravilhosos novos (e únicos) amigos da escola sem fazer nada idiota e socialmente inadequado.
2. Treinar o Cão (meu labrador) para cumprimentar batendo a pata na mão. Provavelmente é o objetivo mais ambicioso da lista.
3. Não botar fogo (de novo) no cabelo da rainha-substituta malvada da escola.
4. Descobrir se os itens 2 e 3 constituem ser socialmente inadequada e idiota.
5. Ir para a África distribuir arroz.
6. Ficar escondida no armário pro resto da vida com Cão porque meu pai está noivo de uma das atrizes mais famosas do mundo, os paparazzi querem botar minha cara em todos os jornais e todos na escola (e no mundo) estão prestes a descobrir o meu grau de inadequação social.
7. Será que arroz já está ultrapassado? Talvez eu possa distribuir chocolate na África também. Eu gosto de chocolate. Tenho que descobrir como fazer isso de dentro do armário...

21.3.18

Resenha: Sejamos Todos Feministas


Autora: Chimamanda Ngozi Adichie
Editora: Companhia das Letras
Número de Páginas: 63
Ano: 2014
Avaliação:   ☆☆☆☆
Sinopse: O que significa ser feminista no século XXI? Por que o feminismo é essencial para libertar homens e mulheres? Eis as questões que estão no cerne de Sejamos todos feministas, ensaio da premiada autora de Americanah e Meio sol amarelo."A questão de gênero é importante em qualquer canto do mundo. É importante que comecemos a planejar e sonhar um mundo diferente. Um mundo mais justo. Um mundo de homens mais felizes e mulheres mais felizes, mais autênticos consigo mesmos. E é assim que devemos começar: precisamos criar nossas filhas de uma maneira diferente. Também precisamos criar nossos filhos de uma maneira diferente."
Chimamanda Ngozi Adichie ainda se lembra exatamente da primeira vez em que a chamaram de feminista. Foi durante uma discussão com seu amigo de infância Okoloma. "Não era um elogio. Percebi pelo tom da voz dele; era como se dissesse: ‘Você apoia o terrorismo!’". Apesar do tom de desaprovação de Okoloma, Adichie abraçou o termo e - em resposta àqueles que lhe diziam que feministas são infelizes porque nunca se casaram, que são "anti-africanas", que odeiam homens e maquiagem - começou a se intitular uma "feminista feliz e africana que não odeia homens, e que gosta de usar batom e salto alto para si mesma, e não para os homens".
Neste ensaio agudo, sagaz e revelador, Adichie parte de sua experiência pessoal de mulher e nigeriana para pensar o que ainda precisa ser feito de modo que as meninas não anulem mais sua personalidade para ser como esperam que sejam, e os meninos se sintam livres para crescer sem ter que se enquadrar nos estereótipos de masculinidade. Sejamos todos feministas é uma adaptação do discurso feito pela autora no TEDx Euston, que conta com mais de 1 milhão de visualizações e foi musicado por Beyoncé.

Nessa rápida leitura iremos encontrar a transcrição de uma palestra dada pela autora. O texto vem abordando diversos assuntos importantes, mas vou começar citando a primeira vez que Chimamanda foi chamada de feminista.
Em uma discussão com um amigo de infância, ele a chamou de feminista. O tom ácido e carregado de raiva fez com que ela fosse procurar o significado da palavra assim que chegou em casa. Naquele momento ela aprendeu o que era ser feminista, mas levaria algum tempo até que ela desenvolvesse esse conceito.

Após se reconhecer como feminista, a cada momento ela era questionada sobre como ela deveria agir, afinal as pessoas tem um conceito muito deturpado sobre o feminismo. Se achavam que feminista era infeliz ela decidira ser feliz, se achavam que ela não usava batom .. ela era uma feminista que usava maquiagem e assim por diante. Achei o ponto bastante interessante, pois pode ser usado para muitos debates, tanto para pontos positivos, como também para pontos negativos sobre essa situação.
Afinal de contas você não precisa mostrar que feminista também se depila, que também faz determinada situação para ser aceita com bons olhos perante a sociedade. 

Ser feminista é você poder ser do jeito que lhe agrada. As outras pessoas não deveriam achar que você é "menos mulher" por causa disso. Lutar contra desigualdade, lutar por respeito; ser feminista vai muito além do que imaginamos. 
A sociedade impõe um limite e acha que toda feminista é suja, infeliz e que nunca irá achar alguém que a ame. Como se você ser do jeito que lhe convém fizesse você automaticamente ser vista como algo ruim.

O livro aborda diversas situações onde as mulheres são menosprezadas e vistas como incapazes. Ela também faz comparações com pessoas próximas a ela que acham o feminismo completamente desnecessário e passaram a ver com outros olhos a luta diária das mulheres depois de presenciar situações absurdas. Chega a ser surreal o fato da mulher sinalizar que aquela situação é errada e isso não abrir os olhos das pessoas. Parece que a "ficha demora para cair".

Ela não cita apenas problemas referentes as mulheres, também vemos a castração emocional dos homens - pauta essa muito importante para frisar o que a sociedade faz com os garotos desde cedo. Desde crianças os homens são condicionados a pensar que homem não chora, que ele tem que comporta-se de um determinado jeito, que um comportamento especifico é apenas feminino e por ai vai.
Esse é um tema muito importante, mas creio que não deveria ser citado nesse livro. Pelo menos não nesse momento (talvez se houvesse uma continuação), pois apesar de entender o contexto em que essa situação foi citada, eu creio que o livro deveria focar mais nas lutas femininas. Mas, ressaltando .. o tema é importante e merece ser debatido. Então o tema não ser citado nessa leitura em particular, seria mais uma sugestão do que uma critica. 

Algo que eu queria ressaltar aqui: homem não é feminista! Então quando a autora diz que tanto homens como mulheres devem ser feministas isso me incomoda um pouco. O feminismo é essencial, pois prega igualdade e respeito, mas homens não podem ser protagonistas de um movimento feito para mulheres. 
A grande maioria dos homens que conhece o movimento e se diz feminista, acaba calando as mulheres em um movimento que deveria dar voz à elas. 

Homens podem apoiar a causa feminista, mas esse movimento não foi feito para eles. Entender, apoiar e dar suporte a causa é uma coisa, fazer parte de algo que você não vive e que não lhe pertence, calado as pessoas que o movimento deveria dar voz ... é outra completamente diferente
Esse foi o único ponto que fiquei incomodada durante a leitura. Não que a autora tenha citado os homem também serem protagonistas do movimento, mas é sempre bom ressaltar que esse é um movimento feito para mulheres terem a sua voz, pois durante a leitura isso não é citado e fica muito vago todo esse conceito de "homens feministas", dando abertura para muitas situações.
Então apoie e dê suporte, mas nunca cale a voz de uma mulher em um movimento que foi feito para libertá-la das amarras da sociedade. 

No mais o livro é uma ótima leitura. Temos uma leque de possibilidades para serem debatidas e com certeza vale a pena conferir.
Por ser um livro curto, em questão de pouco tempo é possível terminar a leitura. Não achei qualquer erro gramatical no livro e pretendo ler mais livros da autora.

19.3.18

Resenha: Um Sedutor Sem Coração - Os Ravenels


Autora: Lisa Kleypas
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 320
Ano: 2018
Avaliação:  ☆☆☆☆☆
Sinopse: Devon Ravenel, o libertino mais maliciosamente charmoso de Londres, acabou de herdar um condado. Só que a nova posição de poder traz muitas responsabilidades indesejadas – e algumas surpresas.
A propriedade está afundada em dívidas e as três inocentes irmãs mais novas do antigo conde ainda estão ocupando a casa. Junto com elas vive Kathleen, a bela e jovem viúva, dona de uma inteligência e uma determinação que só se comparam às do próprio Devon.
Assim que o conhece, Kathleen percebe que não deve confiar em um cafajeste como ele. Mas a ardente atração que logo nasce entre os dois é impossível de negar.
Ao perceber que está sucumbindo à sedução habilmente orquestrada por Devon, ela se vê diante de um dilema: será que deve entregar o coração ao homem mais perigoso que já conheceu?
Um sedutor sem coração inaugura a coleção Os Ravenels com uma narrativa elegante, romântica e voluptuosa que fará você prender o fôlego até o final.

Devon Ravenel é um charmoso libertino de Londres que acabou de ganhar um condado. Após a morte de seu primo Theo, o título de Conde passou a ser de Devon, mas ele nunca quis nada disso. 
Agora ele terá de lidar com uma propriedade que está basicamente caindo aos pedaços e com as quatro mulheres que habitam nela, ou seja, muitos problemas. 
Devon nunca foi responsável, ele prefere viver uma vida de prazeres e completamente desregrada. Sua única vontade é vender toda a propriedade e ganhar um bom lucro com isso. Então ele e seu irmão partem em uma viagem para conhecer suas novas posses.

O novo Conde acaba manifestando seus pensamentos em voz alta sobre vender a propriedade, o que irá causar um sério transtorno para as pessoas que trabalham, moram e dependem daquela propriedade. 
Quem escuta tudo isso é Kathleen - a viúva de Theo - e irritada pelo modo como o Conde iria agir naquela situação, os dois acabam discutindo.
Depois de apenas alguns minutos na companhia de Devon Ravenel, Kathleen não teve mais dúvidas de que todos os rumores que ouvira sobre ele eram verdadeiros. O homem era um idiota egoísta. Um patife repulsivo e rude.
O problema é que Devon sente-se atraído pela beleza de Kathleen, mas isso não o impedirá de vender a propriedade, não é mesmo? Se ele fizer isso muitas pessoas não terão onde morar e ele estará dando as costas para suas primas, as garotas foram privadas de uma vida em sociedade e nunca debutaram.
Sem contar que as pessoas que trabalham na propriedade não precisam ser jogadas na rua, elas precisam de ajuda e que as promessas que foram feitas anteriormente - pelo antigo Conde - sejam cumpridas.

Kathleen ficou casada apenas três dias com Theo e sente-se completamente responsável pela morte do marido. Se ela não houvesse discutido com ele, o mesmo ainda estaria vivo e isso a martiriza todos os dias. 
Devon e Kathleen começam a conviver um com o outro e a medida que o tempo vai passando a atração entre eles é enorme. Mesmo com a distância e as brigas, os dois não podem negar que existe um sentimento forte crescendo entre eles.

O problema é que a família Ravenel é feita de pessoas teimosas e com comportamentos explosivos, e por isso Devon mesmo querendo ficar com Kathleen é completamente cabeça dura e não irá firmar uma família. Ele nunca quis casar ou ter filhos e Kathleen percebe isso nele, ela sabe que ficar com ele só irá trazer dor. Por isso, se eles quiserem ter algo terá de ser nos termos dela. 
O casal tem diversas conversas engraçadas apesar de discutir muito e como sempre a autora me surpreendendo com a sua escrita. 
Kathleen foi negligenciada pelos pais que achavam-na um completo estorvo. Teve uma criação cheia de regras que a impedem de viver sua vida de forma plena, mas talvez Devon consiga quebrar essa barreira.

Gostei de ver personagens falhos que vão crescendo ao longo da leitura. A autora está de parabéns por todas as reviravoltas que me fizeram suspirar e chorar de emoção.
Os personagens secundários são imprescindíveis para essa história, não apenas para criar um ótimo pano de fundo para toda a situação, mas também divertem com suas personalidades e enriquem a leitura. 

É possível saber um pouco sobre o próximo casal que será abordado no segundo livro da série e mal posso esperar para ver como será a história de amor entre Helen e Rhys.
Gostei muito da leitura, recomendo com certeza e espero não me decepcionar com a continuação. 
A diagramação como sempre maravilhosa, a capa está adorável e não tenho nenhum ponto negativo para citar. 
Fitar os olhos azul-escuros dele era como se afogar, descer a profundezas insondáveis das quais ela talvez nunca emergisse.

Promoção: 04 anos do blog De Cara nas Letras


É com muita satisfação que estamos aqui comemorando o segundo aniversário do nosso De Cara Nas Letras. Há quatro anos tomamos a iniciativa de divulgarmos a literatura que tanto apreciamos. São quase 300 mil visualizações5 mil comentários, um pouco mais de 600 postagens literárias diversas e 375 livros resenhados. Com tudo isso, convidamos 21 amigos criadores de conteúdo para presentear vocês, leitores, com uma super promoção coletiva em forma de agradecimento pela boa companhia. Serão 21 livros divididos em 5 kits, sendo um ganhador por kit. Está tudo muito lindo! Esperamos que gostem e que possam participar. Antes de mais nada, não esqueçam de conferir o regulamento.

17.3.18

Participe da Promoção #euseioquevi - A Mulher na Janela


Está rolando uma promoção no site do livro A Mulher na Janela e essa é a sua chance de ganhar não apenas alguns exemplares do livro, mas também muitos outros prêmios.

1º lugar vai levar:
5 exemplares do livro A mulher na janela + tote bag + botton + marcador + boxe de filmes do Hitchcock + Pack Nefasto (inclui os livros Boneco de pano + Ninfeias negras + A grande ilusão + Trilogia A passagem + Mestre das chamas)

2º lugar vai levar:
3 exemplares do livro A mulher na janela + tote bag + botton + marcador

3º lugar vai levar
:
2 exemplares do livro A mulher na janela + tote bag + botton + marcador

4º ao 10º lugar vai levar:
1  exemplar do livro A mulher na janela + tote bag + botton + marcador

Para participar é muito fácil. Basta acessar o link abaixo e preencher o formulário contando uma história que envolva um momento seu entre a paranoia e a realidade. Será que essa história ... você viveu mesmo ou é apenas paranoia da sua cabeça? Conta lá no formulário! As histórias mais criativas vão levar os prêmios para casa. 

16.3.18

Ilustrações por Limão (Angélica M.)


Hoje venho trazendo as ilustrações da carioca Angélica M, mais conhecida como Limão. Com um traço lindo e delicado, somos apresentados a personagens únicos e inspiradores.
Confira abaixo algumas das ilustrações e caso tenha interesse em acompanhar o trabalho, siga nas redes sociais. 

Instagram - Facebook ~ E-mail: limaocomvodka139@gmail.com

14.3.18

Resenha: Amali


Autora: Jéssica Macedo
Editora: Portal Editora
Número de Páginas: 192
Ano: 2018
Avaliação:    (0,5)
Sinopse: Brasil 1824.Amali nunca aceitou os rumos de sua vida. Arrancada do seio de sua família, foi vendida como escrava em um país desconhecido.
Com um espírito livre e questionador, resiste às imposições e injustiças, sofrendo as amarguras de uma luta silenciada pela opressão e violência.
Colocando em cheque a vida de um recluso barão do interior de Minas Gerais, que havia perdido mais do que se julgava capaz de suportar, Amali mostra toda a sua força, conquistando a própria alforria e lutando pela liberdade dos demais.

Amali foi arrancada de sua terra natal de forma brutal, vendida como escrava e agora precisa aprender a viver uma vida humilhante. A jovem terá de servir como escrava a um barão que mora no interior de Minas Gerais, um homem que sofreu uma grande perda e precisa lidar todos os dias com seus demônios interiores. 
Lendo essa pequena introdução é possível imaginar uma história interessante sendo contada, mas infelizmente não é o que acontece com esse livro. 
Vale lembrar que essa história é baseada em A Bela e a Fera, então vamos acompanhar uma releitura desse conto de fadas.

O barão é um homem recluso que após a morte da esposa acabou afundando-se em sofrimento, não apenas por isso, mas também por sua aparência deformada. Aquele maldito dia mudou tudo em sua vida, ele simplesmente não consegue mais ter forças para viver e acaba ficando cada vez mais afastado das outras pessoas. Essa foi a justificativa que a autora usou para que o barão não notasse tudo que acontecia em sua fazenda, mas isso realmente é muito difícil de engolir.
Fernando deixa basicamente tudo na mão capataz! O que não faz sentindo algum, pois como um senhor não sabe o que acontece em sua fazenda e deixa seus bens serem gerenciados por um empregado que faz o que tiver vontade?
O personagem é completamente incoerente. Ele é contra a escravidão, mas tem escravos em sua fazenda. Seu capataz faz as coisas da forma que lhe convém (comprando escravos e etc) sem qualquer problema e o barão nunca se questionou porque os escravos estarem sendo tratados daquele jeito e todos os outros absurdos?
É impossível que ele veja os escravos imundos/maltratados e não desconfie de nada (a não ser que ele seja cego ou surdo). Se eu vejo um escravo andando igual um animal maltratado eu vou pensar o quê? Que ele ficou assim magicamente?

Agora vamos analisar Amali. Ela aguenta diversas coisas calada em "nome do amor". Como alguém que foi queimado a ferro quente consegue aguentar tamanha humilhação e situações horríveis, e ficar sem sequela psicológica? Isso sem contar as outras coisas que acontecem com ela. 
A jovem muda do dia para a noite assim que começa a ficar atraída por Fernando. A garota que antes bradava aos quatro ventos quem ela era e que iria fugir ... agora está decidida a ficar na fazenda.
Ela como filha de um grande guerreiro/líder tribal não sabe nada sobre a sua tribo, de onde veio ou qualquer coisa que envolva sua terra natal. Isso chega a ser irracional, pois quando uma pessoa é tribal uma das primeiras coisas que ela aprende é a se reconhecer como parte de uma tribo, seus costumes, crenças e tudo mais. Mas, ela não sabe nada que indique de onde ela veio???? 

O livro romantiza diversas situações preocupantes, um exemplo delas é o estupro. O estupro é colocado como algo que não foi consumado e por isso não teria acontecido, que não houve nada demais (como se estupro fosse apenas penetrar outra pessoa), mas temos que saber que estupro não trata-se apenas penetração. O pior de tudo é que esse "artifício" é mostrado apenas para termos Fernando como salvador.
Temos violência verbal e física sendo mostrada como algo banal, e misteriosamente tudo se resolve da forma mais fantasiosa possível. Chega a ser absurdo.
A história compara escravidão a serviços domésticos, como se todas as situações degradantes fossem equiparadas a varrer uma casa, lavar uma louça e etc. Afinal você foi arrancada do seu lar para ser escrava, mas como está acostumada a dividir tarefas domésticas com as irmãs, tudo okay. 

A história toda é incongruente, pois várias coisas não batem. A cronologia do livro está errada, a autora copiou informações do wikipédia para tentar dar "uma aprofundada no enredo", mas o tiro saiu pela culatra - é possível ver os hiperlinks dos artigos copiados.
Juntando tudo isso a enorme quantidade de erros gramaticais, temos um dos piores livros que eu li esse ano. O livro todo é basicamente falta de tato, falta de vergonha e falta de respeito. 

Resolvi não citar todos os erros na resenha, pois o texto ficaria enorme. Mas, creio que deu para entender aonde eu quero chegar. 
A autora trocou a capa e a sinopse para tentar amenizar toda a situação/história, mas isso com certeza não iria diminuir a repulsa que essa leitura causou. Não tenho nenhum ponto positivo para citar.

13.3.18

Faro Editorial publicará série Doggerland - Maria Adolfsson


A Faro Editorial acaba de adquirir os direitos de publicação da série Doggerland, da escritora sueca Maria Adolfsson. Com um buzz e grandes leilões pelo mundo, a Faro comprou os direitos da obra em preemptive no Brasil. O livro será lançado em maio de 2018 na Suécia e Alemanha, e deve chegar ao Brasil no segundo semestre. A negociação foi realizada via Agencia Vikings do Brasil, de Pasi Loman.

O primeiro volume da série, intitulado Doggerland: Deception, foi considerado recentemente pela Publisher’s Weekly como “International hot book Property”, e desde então uma disputa pelos direitos movimentou o mercado editorial em diversos países.
A série nos apresenta a investigadora Karen Eiken Hornby, da ilha de Doggerland, uma ilha pacífica localizada no mar do Norte entre o Reino Unido, a Escandinávia e a Europa Continental. A vida dos moradores de Doggerland estava em paz até que o corpo de uma mulher brutalmente assassinada é encontrado, e Karen começará sua busca por respostas. Mas este não é um crime comum: a mulher foi encontrada morta na manhã seguinte em que Karen passou a noite com o seu chefe, marido da vítima. E este é o primeiro de outros tantos segredos e conflitos relacionados ao crime e farão Karen mergulhar numa busca implacável por respostas.

Na última semana, o Livro teve os direitos vendidos para 10 países, e há leilões acontecendo ao redor do mundo, entre eles, entres os grandes grupos editoriais que adquirem para todos os países de língua inglesa.
Agentes e scouts estão comparando esta série sueca a outra de grande sucesso: Millenium, de Stieg Laarson.

12.3.18

Ilustrações por Luiza Alcântara


Faz algum tempo desde a última vez que divulguei ilustrações aqui no blog, então resolvi voltar com essa categoria! 
Hoje estou aqui para divulgar o trabalho da Luiza Alcântara, uma ilustradora carioca maravilhosa que retrata tudo de forma encantadora. 

8.3.18

Lançamento: A bruxa não vai para a fogueira neste livro


A história das mulheres se escreveu em meio ao cheiro de queimado por séculos & séculos. Agora, não mais! Essa é a luta de todas as que venceram as chamas do preconceito e da opressão & descobriram como amar profundamente a si mesmas, do jeito que são.
Na semana do Dia Internacional da Mulher, apresentamos a capa de "A bruxa não vai para a fogueira neste livro", de Amanda Lovelace, autora do sucesso "A princesa salva a si mesma neste livro". Em breve nas lojas!


*Texto de divulgação Editora Leya*

Lançamentos de Março: Editora Arqueiro

Sinopse: Anna Fox mora sozinha na bela casa que um dia abrigou sua família feliz. Separada do marido e da filha e sofrendo de uma fobia que a mantém reclusa, ela passa os dias bebendo (muito) vinho, assistindo a filmes antigos, conversando com estranhos na internet e... espionando os vizinhos. Quando os Russells – pai, mãe e o filho adolescente – se mudam para a casa do outro lado do parque, Anna fica obcecada por aquela família perfeita. Até que certa noite, bisbilhotando através de sua câmera, ela vê na casa deles algo que a deixa aterrorizada e faz seu mundo – e seus segredos chocantes – começar a ruir. Mas será que o que testemunhou aconteceu mesmo? O que é realidade? O que é imaginação? Existe realmente alguém em perigo? E quem está no controle? Neste thriller diabolicamente viciante, ninguém – e nada – é o que parece. "A Mulher Na Janela" é um suspense psicológico engenhoso e comovente que remete ao melhor de Hitchcock.
Destaque do mês: A Mulher na Janela
Descubra o que está por trás desse thriller diabolicamente viciante.

6.3.18

Caixa de Correio - Janeiro | Fevereiro


Não recebi muitas coisas em janeiro, então resolvi juntar os recebidos de janeiro e fevereiro. Aproveitei para terminar diversas leituras e alguns dos livros recebidos já possuem resenha aqui no blog.
  1. Últimas Mensagens Recebidas (recebido de parceria) - Resenha
  2. Tudo que Acontece aqui Dentro (recebido de parceria) - Resenha
  3. As Crônicas de Marte (recebido de parceria)
  4. Mais Lindo que a Lua (recebido de parceria) - Resenha
  5. Um Sedutor sem Coração (recebido de parceria) 
  6. A Viajante do Tempo (recebido de parceria) 
Vocês já leram alguns desses títulos? Não esqueçam de visitar as resenhas! 

4.3.18

Resenha: Tudo Que Acontece Aqui Dentro


Autor: Júlio Hermann
Editora: Faro Editorial
Número de Páginas: 192
Ano: 2018
Avaliação:  ☆☆☆☆☆
Sinopse: Amar e afogarse com os próprios sentimentos e continuar respirando. Tudo o que acontece aqui dentro é uma seleção de crônicas sobre o amor em seus diversos estágios, sobre aprender com as experiências da vida... tratase de um tipo de testamento das coisas do coração. É também um romance narrado pelas memórias de quem as viveu, por cartas que deveriam ter sido rasgadas, registros dos sentimentos pessoais de quem revelou bem mais de si que a maioria de todos nós. Uma das coisas mais bonitas é a maneira com que vamos enfeitando a alma enquanto esperamos alguém chegar "São cartas que escrevi enquanto ainda sentia a ferida arder. Os momentos felizes e os dias em que pensei que não iria aguentar”. Júlio tem um dom. Ele consegue exprimir sobre sentimentos com muita beleza e, ao compartilhar em escritos, permite que nós também possamos nomear o que muitas vezes sentimos e ficamos de algum modo aflitos, por não compreender. É o momento em que o nosso coração encontra a paz. Ele transforma o grito preso nas gargantas em literatura. São linhas que costuram o aprendizado sobre amor com o olhar de uma geração.

Nesse livro encontraremos diversas cartas de amor que foram escritas em diferentes estágios dos relacionamentos.
Encontramos textos que fazem o leitor refletir, entender e até mesmo sentir como se já tivesse experimentado algo parecido em determinados momentos da vida. 

A escrita do autor pega o leitor de jeito e vai arrastando você por diversas sensações, como se toda aquela angustia, felicidade e dor ... fossem suas. Com certeza Júlio tem um dom com as palavras, pois acabei dando uma ou duas pausas entre alguns textos para absorver o impacto que a leitura estava tendo sobre mim. 
O livro é curtinho, mas de um potencial maravilhoso. Sem sombra de dúvida valeu muito a pena ter feito essa leitura. 

Por ser um livro de leitura rápida, não tenho tanto para citar em minha resenha, talvez as minhas palavras não sejam adequadas para transmitir o quanto esse livro me tocou. Eu sou aquele tipo de pessoa que se entrega as sensações e esse livro com certeza me fez sentir.
Como disse Rupi Kaur em um dos seus poemas: eu não sofro eu estilhaço. Essa é a melhor forma de me resumir após essa leitura.

Podemos observar títulos de música ao lado de cada texto e se você é daquele tipo de pessoa que gosta de ler ouvindo música, esse com certeza é o seu momento. Se não gosta, não tem problema. Durante as pausas dessa leitura que tal escutar a música do último texto que você leu? 
O livro está com uma diagramação maravilhosa. Capa com detalhes emborrachados, letras coloridas e é possível encontrar diversas ilustrações no decorrer da leitura.


Amar é afogar-se com os próprios sentimentos e continuar respirando.

3.3.18

Lançamentos de Março: Editora Sextante


Sinopse: Ruth Manus possui o raro talento dos cronistas capazes de produzir textos instigantes a partir de assuntos banais: uma conversa entre amigas pelo WhatsApp, uma ligação para um salão de beleza ou as dificuldades de comunicação de uma brasileira em Portugal.Mas talvez mais notável ainda seja a capacidade incomum de Ruth de escrever com sagacidade e sutileza sobre assuntos nada banais: padrões estéticos, Direito do Trabalho, machismo e outras questões contemporâneas não só pertinentes como necessárias.
Um dia ainda vamos rir de tudo isso é uma coletânea de crônicas publicadas no blog do Estadão, em sua coluna no Estado de S. Paulo e no jornal Observador, de Lisboa, além de algumas inéditas. O que o leitor tem em mãos não é apenas uma seleção de textos, e sim um retrato do nosso tempo, por uma das mais destacadas cronistas da nova geração.

Sinopse: Mãe de dois filhos – a Flor, de nove anos, e o Nino, de um aninho – a chef, Apresentadora de TV e celebridade Bela Gil foi o pivô de várias polêmicas por conta de suas escolhas como mãe: teve o Nino em casa, com uma parteira, falou abertamente sobre a violência obstétrica que sofreu no nascimento da Flor, comeu a placenta batida com frutas depois do nascimento do Nino, defende o uso de óleo de gergelim em vez de pomadas anti-assaduras e posta fotos dos peitos vazando leite nas redes sociais. Mas por trás da polêmica existe uma pessoa sensata e satisfeita com suas escolhas, que defende que cada família deve se sentir livre para viver a maternidade de sua maneira e que quer, de coração aberto e sem julgamento, contar sua história para o mundo. Esse livro, em parte autobiográfico e em parte uma conversa com vários especialistas entendidos dos assuntos explorados (médicos, enfermeiras, nutricionistas e psicólogos) explora as diversas fases pela qual uma mulher passa ao longo do primeiro ano da maternidade: a decisão de ter um filho, a gestação, o parto, o puerpério, a amamentação, os cuidados com o bebê e a introdução alimentar.


Sinopse: O Brasil segundo o olhar debochado, politicamente incorreto e absolutamente mordaz do Casseta & Planeta, o grupo que revolucionou o humor na TV brasileira.
Já não era sem tempo! Eis que temos em nossas mãos o livro que esclarecerá, de uma vez por todas, as razões que nos trouxeram ao buraco em que nos encontramos.
Depois de um verdadeiro périplo pelas mais renomadas bibliotecas do Brasil e do mundo e visitas frequentes aos mais conhecidos e mais remotos arquivos – e tudo sem precisar sair de casa... coisas da tecnologia... –, a trupe que revolucionou o humor na TV brasileira nos traz a obra que desmontará todas as versões da História que as escolas e as universidades tentaram nos empurrar goela abaixo.
Ao redescobrir o Brasil, Beto Silva, Claudio Manoel, Helio de La Peña, Hubert Aranha, Marcelo Madureira e Reinaldo Figueiredo constataram que somos o resultado de um projeto ardiloso, vil e zombeteiro de uma corja de espertalhões que há muito e muito tempo dá as cartas nesta Terra Brasilis. (Observação importante: todo o trabalho foi supervisionado pelo gênio indomável de Eduardo Bueno – que também não saiu de casa, a não ser para assistir à partida do Grêmio contra um tal de Real Madrid, em Abu Dhabi.)
Está bem, pode até ser que a versão Casseta & Planeta da História do Brasil não seja lá a mais verdadeira, mas uma coisa é certa: é a mais engraçada de todas. E, se assim for, eles terão conseguido algo revolucionário, pois fazer rir neste país é algo muito sério. Aliás, se tem alguém que entende do riscado, que sabe como ninguém que melhor é rir para não chorar, são esses caras.
Divirtam-se!

Sinopse: Na noite de 5 de agosto de 2012, o clima no Jet Propulsion Laboratory da NASA era de tensão. Já passava das 22h15 e uma das mais audaciosas missões espaciais dos últimos tempos vivia momentos decisivos em Marte. Minutos depois, na sala de controle, uma engenheira anunciou as três palavras mágicas: “Tango Delta Nominal.” A multidão que assistia do lado de fora não sabia, mas aquele código significava que o veículo Curiosity pousara com sucesso em solo marciano.Neste livro, o físico brasileiro Ivair Gontijo, responsável pela construção do coração do radar usado na descida triunfal do Curiosity no planeta vermelho, faz um relato fascinante dos bastidores do projeto de desenvolvimento, lançamento e operação do mais complexo veículo robótico já enviado para outro mundo.
Nascido às margens do Rio São Francisco, em Minas Gerais, Ivair intercala histórias da sua jornada pessoal, do interior do Brasil até a NASA, com um panorama das grandes viagens espaciais feitas até hoje.
Com uma linguagem clara e acessível, A caminho de Marte reúne as descobertas científicas mais recentes sobre nosso vizinho, aborda a busca por evidências de vida no planeta vermelho e também trata dos desafios futuros na exploração do espaço.
Além de despertar a paixão pela ciência, este livro busca inspirar todos aqueles que sonham alçar grandes voos na carreira e na vida.

Sinopse: Com apaixonada simplicidade, o filósofo Epicteto escreveu o primeiro e mais admirável manual do ocidente sobre como se viver melhor - com maior sabedoria, dignidade e tranqüilidade. Nascido escravo por volta do ano 55 d.C. no Império Romano, ele se tornou um dos grandes mestres do Estoicismo e dedicou sua vida a responder a duas questões fundamentais: ‘Como viver uma vida plena e feliz?’ e ‘Como ser uma pessoa com boas qualidades morais?’ Epicteto acreditava que a meta principal da filosofia é ajudar as pessoas comuns a enfrentar positivamente os desafios cotidianos e a lidar com as inevitáveis perdas, decepções e mágoas da vida. A arte de viver prega a liberdade e a tranqüilidade interiores, e demonstra que virtude e felicidade são estados estreitamente relacionados. Os 93 pensamentos precisos reunidos neste livro trazem a essência de uma filosofia cujos méritos foram comprovados pelo tempo e cuja recompensa é um inabalável e lúcido contentamento.


Sinopse: Poucas coisas nos prometem mais felicidade do que nossos relacionamentos – e poucas nos trazem tanto sofrimento e frustração. Nosso erro é supor que já nascemos sabendo amar e que, portanto, administrar um relacionamento deve ser fácil e intuitivo. Este livro parte de uma premissa diferente: o amor é uma habilidade a ser aprendida, não apenas uma emoção a ser sentida. De maneira suave e encantadora,ele trata das principais questões dos relacionamentos – das discussões ao sexo, do perdão à comunicação
– e assegura que o sucesso no amor nunca mais vai depender apenas da sorte. ESTE LIVRO FAZ PARTE DE UMA COLEÇÃO, QUE AINDA CONTA COM OS VOLUMES CALMA, GRANDES PENSADORES E UM EMPREGO PARA AMAR.


Sinopse: Poucas habilidades são tão importantes e ao mesmo tempo Tão negligenciadas quanto a capacidade de manter a calma. Quase sempre, nossas piores decisões são tomadas em momentos em que perdemos a calma e nos deixamos dominar pela ansiedade e a agitação. Felizmente, nosso poder de permanecer calmos pode ser exercitado e aperfeiçoado. Não precisamos aceitar o estado atual das coisas: nossasreações diante dos desafios do dia a dia podem ser radicalmente transformadas. E para nos educarmos na arte de manter a calma, não precisamos de técnicas respiratórias nem de chás especiais – mas apenas do pensamento. Este é um livro que examina as maiores causas do estresse, oferecendo uma sucessão de argumentos convincentes e às vezes ironicamente cômicos para nos defender da raiva e do medo.

Lançamentos de Março: Editora Faro Editorial


Sinopse: 30 atitudes inovadoras para fazer seu dinheiro valer mais uma mudança radical começa pelas coisas simples proteja-se das mentiras que contam para fisgar o seu dinheiro! quase tudo o que a propaganda diz sobre como ter uma boa vida está errado: as manchetes servem sempre para enriquecer comerciantes, banqueiros e aproveitadores, enquanto empobrecem os consumidores e aplicadores indefesos. Está na hora de virar o jogo e se libertar das armadilhas que sugam o seu dinheiro! multiplique o valor de seus ganhos apenas aprendendo a gastar e aplicar melhor este livro revela o que é fundamental saber para comprar levando-se em conta o custo-benefício, como investir em diferentes modalidades de aplicações com segurança e ganhar sempre. Entenda como as coisas funcionam, desde as chamadas "ofertas irrecusáveis" aos "investimentos imperdíveis", e saiba reforçar sua posição de negociação para extrair maior vantagem de suas compras e escolhas financeiras. Há um lado negro no mercado de investimentos e na propaganda para o consumo. Não caia nas armadilhas.

Sinopse: Você acredita nele... então porque está com tanto medo?
Uma combinação perfeita de A Sangue Frio e Making a Murder! Como confrontar quem você ama quando você não tem certeza se quer saber a verdade?
Há vinte anos, Dennis Danson foi preso pelo assassinato brutal de uma jovem no condado de Red River, na Flórida. Agora ele é o assunto de um documentário sobre crimes reais que está lançando um frenesi online para descobrir a verdade e libertar um homem que foi condenado erroneamente. A mil milhas de distância na Inglaterra, Samantha está obcecado com o caso de Dennis. Ela troca cartas com ele e é rapidamente conquistada por seu aparente charme e bondade para ela. Logo ela deixou sua velha vida para se casar com ele e fazer campanha para sua libertação. Mas quando a campanha é bem sucedida e Dennis é libertado, Sam começa a descobrir novos detalhes que sugerem que ele pode não ser tão inocente...