14 novembro 2014

Resenha: A Família Corleone


Autor: Ed Falco
Editora: Record (GER)
Número de páginas: 420
Ano: 2014
Avaliação☆☆☆☆☆

Sinopse: Nova York, 1933. Enquanto os Estados Unidos afundam na Grande Depressão, as associações criminosas prosperam com a venda de álcool e outros negócios escusos. Porém, percebendo a proximidade do fim da Lei Seca, uma guerra entre as famílias ligadas à máfia é inevitável, iniciada pela poderosa família de Guiseppe Mariposa, o que irá determinar qual organização ascenderá e qual será eliminada. Nesse cenário, Vito Corleone busca o melhor para sua família, distanciando-a de suas atividades, mas seu filho mais velho Sonny não está inclinado a se afastar e seu filho adotivo Tom Hagen parece estar cada vez mais envolvido. Então resta ao justo e implacável Don garantir que o legado dos Corleones seja mantido.


Nesse livro somos apresentados a família Corleone por Ed Falco que baseou-se em um roteiro do autor Mario Puzo para escrever.

Em 1933 nos Estados Unidos uma crise estava se estabelecendo, pois o fim da Lei Seca estava próximo e as famílias ligadas a máfia estavam quase entrando em um guerra, isso iria abalar muita gente e com certeza Vito Corleone não estava querendo entrar em uma guerra ou ter problemas com outras famílias, porque era mais importante proteger a sua nesse momento. Tanto que ele comprou um terreno enorme em um lugar distante do que ele mora atualmente, e está pensando em construir várias casas não só para ele, mas como também para as famílias dos homens que trabalham com/para ele (afinal ele tem que proteger os mafiosos a seu serviço, certo?).

No começo da história vemos seu filho Sonny descrever como descobriu o que Vito Corleone era e pergunta a seu irmão adotivo se ele acha que seu pai sustenta a família de fato com importação de azeite! Ele fica sempre deixando no ar que algo está acontecendo e seu irmão fica curioso sobre o que seria.

E Sonny eu devo acrescentar não sabe pensar como um verdadeiro Don, e não só nesse livro, mas no outro que estou lendo eu acho que ele mete os pés pelas mãos por ser um pouco explosivo. Não é bom deixar os inimigos saberem o que você pensa.
O livro é muito envolvente e com certeza não deixa a desejar ao romance escrito por Mario Puzo.
Vemos o começo de tudo e tramas interessantes, como uma família italiana é organizada, personagens complexos e ao mesmo tempo simples, diretos e apaixonantes.

Eu posso dizer que sou completamente apaixonada por Vito Corleone (sim o chefão da máfia que ele irá ser daqui a algum tempo). Ele sem dúvida é um homem de princípios, de família e acima de tudo de palavra e com certeza vai te deixar pensativo sobre suas ações nesse livro.

Demorei um pouco para ler devido a faculdade, mas sempre que eu voltava a leitura parecia que não havia se passado nenhum tempo e tudo fluía tão bem, com uma escrita tão boa que me fez ficar completamente apaixonada por esse livro e se tornou um dos meus favoritos.
No mais é um livro interessante e não achei nenhum erro de ortografia até então.

5 comentários

  1. Olá, tudo bem?
    Eu gosto bastante dos filmes do Poderoso Chefão. Os assisti por indicação de um professor muito querido, que até me emprestou seus dvds. Porém, ele me disse que os filmes são bem melhores que os livros, e que nem valia a pena lê-los. Será?

    leitoresforever.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oie ALice
    Eu amo o filme Poderoso Chefão, mas não me animei muito pra ler esse livro. Lendo sua resenha, acabo de me arrepender de não ter lido :(
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu pensei que não ia curtir jacque, mas me enganei e gostei muito do livro!

      Excluir
  3. Gostei da pegada do livro, nunca li nada no estilo. É preciso ter assistido ou conhecer um pouco de Poderoso Chefão para lê-lo?

    Beijos.

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  4. Fiquei bastante interessada no livro :D

    Adorei o seu blog e já estou a seguir :)

    beijos,
    Daniela
    http://ddocesonhadora.blogspot.pt/

    ResponderExcluir

Seja bem vindo ao blog e obrigada por comentar!