31 março 2015

Resenha: Sangue Mágico


Autora: Ilona Andrews
Editora: Saída de Emergência
Número de páginas: 256
Ano: 2015
Avaliação☆☆☆☆

Sinopse: Sangue Mágico - Se não fosse pela magia, Atlanta seria uma boa cidade para viver. No momento em que a magia domina, os carros param e as armas falham. Quando a tecnologia assume, os feitiços de proteção já não protegem sua casa dos monstros. Aqui, os arranha-céus são derrubados pelo ataque da magia; homens-lobo e homens-hiena rondam as ruas arruinadas; e os Mestres dos Mortos, necromantes impulsionados pela fome de poder, comandam vampiros com suas mentes.
Neste mundo, vive Kate Daniels. Kate gosta um um pouco demais de usar a sua espada e tem dificuldade de ficar calada. A magia em seu sangue a torna um alvo, e ela passa a maior parte da vida se escondendo no meio da multidão.
Mas quando o guardião de Kate é assassinado, ela deve optar entre não fazer nada e manter-se segura… ou perseguir o assassino sobrenatural. Esconder-se é fácil, mas a escolha certa nunca o é...

Nesse livro conhecemos uma jovem mercenária que estava calmamente em sua casa quando recebe a visita de um vampiro, que vem trazendo uma informação que a deixa muito inquieta. Depois disso Kate acaba descobrindo que seu Guardião morreu em serviço, e ela acaba decidindo ir para a cidade onde ele trabalhava e tentar descobrir quem o matou.
O mundo mágico que observamos nesse livro é interessante e cheio de informações, e tenho certeza que se fosse mais detalhado o livro seria muito grande. Contudo é bem satisfatório o conhecimento que vamos adquirindo sobre a magia e outras coisas que envolvem as criaturas mágicas.

Devido ao poder que corre em suas veias Kate não pode se dar ao luxo que descubram quem ela é, por isso anda sempre com um pouco de gasolina na mochila para caso seja necessário ela possa incendiar os curativos, ou locais em que seu sangue tocou. 
Ela é uma jovem indisciplinada que não consegue ficar calada e abaixar a cabeça, por isso acaba sempre respondendo atravessado para qualquer um, não importando o perigo que isso irá trazer caso responda para a pessoa errada.

Para tentar descobrir quem matou seu guardião ela será capaz de trabalhar para a Ordem, mesmo não gostando muito da ideia, isso dará a ela acesso a diversas coisas que podem ser úteis na investigação. Porém o responsável pela sede da ordem (a qual ela se apresenta), aceita fácil demais que uma mercenária qualquer se interesse pelo assassinato de um Cavaleiro Místico da Ordem (mesmo que ele seja o padrinho dela).

A jovem sai procurando pistas e apresentando seu passe indicando que está com a ordem, isso acaba abrindo portas interessantes que a fazem conhecer personagens mais interessantes ainda. Dentre eles devo destacar o Senhor das Feras (líder do bando de metamorfos) que faz e acontece cada vez que aparece. Dono de um temperamento explosivo e violento, ele consegue encantar qualquer um, afinal não é sempre que alguém pode conseguir a simpatia de alguém mesmo sendo temperamental a ponto de ser quase insano.

Kate passa o livro todo falando demais e fazendo pouca coisa, eu achei a personagem muito convencida e apesar das demonstrações do seu poder mágico durante a leitura, eu pensei que ela era mais forte. Talvez ela não tenha dado tudo de si, mas sinceramente? Acho que ela poderia descer desse pedestal porque ficou cansativo demais para mim aguentar cada vez que ela abria a boca para falar algo!

O livro tem uma escrita fácil, e como é narrado pela própria Kate sentimos e vivemos as cenas através dela, mas as respostas que ela dá para as pessoas (em quase todas as situações) eu achei muito forçado. 
Cheguei na metade do livro e tinha certeza de ter descoberto quem era o assassino, mas eis que para a minha surpresa não era quem eu imaginava. Por isso fiquem de olhos bem abertos, pois você vai se surpreender assim como eu.

O final foi um pouco corrido e terminou de um jeito bem "chato", pois eu estava lendo e quando vi terminou sem dar qualquer explicação sobre o porque ninguém pode sentir o sangue dela, quem afinal é ela e sem uma demostração maior do poder poder.
As cenas de batalhas são medianas e eu acho que a autora precisa trabalhar mais nesse aspecto, mas seu poder de descrição é bom ao ponto de conseguir me conectar com a história mesmo assim.

Espero o próximo volume, para ver se consigo desvendar quem é a Kate e porque tudo parece girar ao seu redor!

Nenhum comentário

Postar um comentário

Seja bem vindo ao blog e obrigada por comentar!