18 outubro 2015

Resenha: Fragmentados


Autor: Neal Shusterman
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 320
Ano: 2015
Avaliação☆☆☆
Sinopse: Em uma sociedade em que os jovens rejeitados são destinados a terem seus corpos reduzidos a pedaços, três fugitivos lutam contra o sistema que os fragmentaria .Unidos pelo acaso e pelo desespero, esses improváveis companheiros fazem uma alucinante viagem pelo país, conscientes de que suas vidas estão em jogo. Se conseguirem sobreviver até completarem 18 anos, estarão salvos. No entanto, quando cada parte de seus corpos desde as mãos até o coração é caçada por um mundo ensandecido, 18 anos parece muito, muito longe.

Há algum tempo atrás houve uma guerra. Quando dois grupos lutavam por seus direitos (alguns defendiam o aborto e outros eram contra ele, e etc) o governo resolveu acabar com essa luta, pois além dos grupos não conseguirem chegar em lugar algum, a guerra parecia que nunca teria fim. Com isso foi proposto um acordo para que as duas partes ficassem satisfeitas e foi assim que surgiu a fragmentação. 

Ao invés de abortar a criança, os pais poderiam decidir se queriam entregar para a fragmentação ou não (apenas quando a criança fizesse 13 anos de idade), sendo que se um fragmentário completasse 18 anos ele não poderia ser obrigado a ir para a fragmentação.
Afinal, o que é a fragmentação? É um processo onde todas (sim, todas) as partes do seu corpo são aproveitadas para salvar outras vidas. Se alguém precisa de pulmões novos basta solicitar, se alguém quer olhos novos, mãos, córneas e por ai vai. 

Nesse livro nos deparamos também com outra lei: Cegonha, e com essa lei, você pode abandonar seu filho recém nascido na porta de alguém, mas não pode ser pego, pois se alguém da casa pegar você no flagra a criança volta a ser sua responsabilidade, mas caso a família ache a criança e não veja quem depositou, a mesma é inteira responsabilidade da família que a encontrou. 
Assim é muito fácil não é? Afinal, é só depositar seu filho na frente da casa de um desconhecido e sumir!

Com esse cenário distópico conhecemos três personagens muito distintos.
Connor é um rapaz de pavio curto que está sempre brigando e dando um pouco de "trabalho" para os pais, mas quando descobre que vai ser fragmentado ele faz de tudo para causar algum remorso nos pais sendo um filho "melhor".
Risa é uma menina esperta e além disso toca piano muito bem, porém ela vive em uma casa estatal com outras crianças, por isso ela precisa ser perfeita em tudo se quiser que o governo queira ficar com ela até a maioridade. 
Já Lev (Levi) é um garoto rico, temente a Deus e que está dando uma festa para que possa despedir-se de sua vida. Os pais de Lev são fanáticos, por isso ele cresceu sabendo que iria ser fragmentado, mas ele é visto como um dízimo, então ele cresceu sendo ensinado que aquela situação toda era especial/sagrada. 

Esses três personagens acabam encontrando-se em uma situação caótica que você tem de pensar rápido se quiser viver e nesse cenário distópico que chega a ser desumano, que embarcamos em uma história envolvente.

O livro tem uma escrita fluida que faz o leitor se envolver com a leitura, porém uma coisa que me incomodou um pouco foram os capítulos, pois cada capítulo é do ponto de vista de um personagem (até ai tudo bem), mas começa a ter ponto de vista de vários que aparecem apenas um vez. Por exemplo: O policial, a multidão, a vendedora e etc; sendo que as vezes o capítulo tem apenas uma folha e nem é frente e costa, é apenas a frete.
Não sou uma fã de capítulos curtos (posso toletar), mas capítulos com apenas alguns parágrafos é demais para mim, pois comecei a ficar cansada da leitura (ainda mais com um livro de 320 página e com vários capítulos assim).

No mais é uma boa história e eu adoro distopia, porém mesmo com todo esse enredo inovador não foi algo que me marcou profundamente. Eu gostei, mas não foi um livro maravilhoso na minha opinião.
Não achei qualquer erro de português e a diagramação está ótima. 

17 comentários

  1. eu queria ler esse livro mas fui lendo algumas resenhas e desanimei, todos apontam um mesmo fator: a história tem um enredo inovador mas não foi bem desenvolvido dentro das possibilidades.

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Olá
    eu achei mesmo muito rico essa sinopse, só não achava que ele era milionário, kkk, curti muito essa capa e estava precisando voltar aqui pra o Brasil uma Distopia foda, quero muito poder comprar e ler esse livro, e partilhar da emoções de ficar a cordado para ler o final,
    Bjks
    Passa Lá - http://ospapa-livros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eu quero muito este livro, gosto da premissa e do enredo, e ao contrário de você gosto de capítulos curtos, então com certeza vou gostar deste livro. A ideia da realidade de cada personagem e como se cada um personificasse um tipo de personalidade da nossa sociedade. Gostei muito da sua resenha, ela me apresentou pontos que ainda desconhecia, me fazendo ficar ainda com mais vontade de ler o livro. Ótima dica e resenha!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Alice, distopia é o meu gênero literário favorito, portanto não podia deixar de conferir alguma resenha sobre Fragmentados. O que mais me interessa nesse livro são as leis impostas para acabar com a guerra, principalmente este tal processo e fragmentação, já imagino vários cruéis entregando seus filhos para este tipo de processo. Bem, eu estou extremamente curioso com o livro e quero bastante saber da luta contra tais leis. Gostei bastante!

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    Eu estou louca por esta distopia!
    Não teria problemas com as alterações de pontos de vista sendo dessa forma e nem com os capítulos curtinhos....
    Bjs

    A. Libri

    ResponderExcluir
  6. Oi Alice!
    Eu amo distopias!!!
    E desde o lançamento desse livro, que estou babando por ele.
    Preciso comprar urgente!!
    Estou muito curiosa para iniciar essa leitura.
    Beijos!
    www.lindaestante.com.br

    ResponderExcluir
  7. Como eu amo livros distópicos, esse livro já está na minha lista de compras já faz algum tempo. Gostei bastante desse mundo que o autor criou, o que acabou despertando a minha curiosidade. Fiquei receoso com essa questão dos capítulos serem narrados por vários pontos de vista. Apesar disso, continuo desejando esse livro. hahaha Adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  8. Oi Alice.
    Li apena uma resenha deste livro logo no seu lançamento, e foi uma resenha mais "ligth" (se assim posso dizer), agora eu adoreiiiiiiiii sua resenha; ela me deixou com o coração apertado a cada linha lida, era como seu pudesse ver todo aquele processo. Tenho certeza de quando lê-lo, chorarei muitooooo.
    Acredito que esse livro possa virar filme, eu iria adorar.

    Bjsss

    ResponderExcluir
  9. sempre gostei de ler distopia e já to ansiosa pra ler essa, to de olho nesse livro desde que vi nos lançamentos do mês da novo conceito, adorei a resenha, to super curiosa pra ler, já que nunca li nada do autor e espero gostar.

    ResponderExcluir
  10. Desde que vi um book trailer de Fragmentados fiquei muito ansiosa para ler esse livro, pois achei bem interessante a história e por ser uma distopia fica ainda melhor, e acredito que irei gostar do livro, que pena que os capítulos alternados te incomodaram.

    ResponderExcluir
  11. De início eu tinha me interessado por esse livro e tinha achado a premissa bem interessante porém depois de ler algumas resenhas eu fui desanimando
    Beijos

    http://myself-here1.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  12. Alice, gosto de distopias e achei essa historia bem original e muito criativa. Eu já tava afim desse livro quando começou a divulgação da NC e agora as resenhas que estou lendo são sempre positivas o que me deixam muito mais curiosa em relação a esta história absurda e ao mesmo tempo empolgante.
    Essa vai ser uma das minhas próximas leituras.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  13. Estou querendo muito ler, já que distopia é um dos meus gêneros favoritos. O mundo que o autor criou é bem diferente e bem interessante e estou muito curiosa para conhecê-lo. Só não gostei do fato de o autor ter colocado o ponto de vista de personagens que nem secundários são, estão mais para figurantes.

    ResponderExcluir
  14. Pensa em uma pessoa que gosta muito de um livro. Essa sou e eu e Fragmentados.
    Ele está no meu top 3 de melhores livros do anoooooooooooooooooooo! Eu amei muito nossa, nossa, nossa.
    Fiquei muito impressionada com tudo que o autor conseguiu passar sabe? E o final </3
    Fico muito feliz que mesmo que não tanto quanto eu você tenha gostado da história. É sempre bom fazer uma leitura assim.
    Gostei muito da resenha!

    Beijoos

    ResponderExcluir
  15. quero muito ler fragmentados! a história parece absurda e ao mesmo tempo empolgante pra mim.
    não li nada parecido com fragmentados ainda e eu quero muito conhecer mais sobre a obra.
    isso de fragmentar alguém é horrível!! não consigo nem imaginar, socorro. só q eu não consigo tirar a empolgação de mim que quer muito conhecer o livro. acho que vai ser uma experiência e tanto e... se colocarem a fragmentação detalhadamente, acho que irei morrer de aflição.
    se eu gostar de fragmentados, que é quase certeza de que vou gostar, irei acompanhar a série.

    bjs

    ResponderExcluir
  16. Esse livro parece muito bacana, essas distopias sempre me interessa e me deixa curioso, com essa não foi diferente, eu gosto de capitulos curtos, mas tem um limite né rsrs
    Enfim essa é uma série que com certeza vai entrar pra minha lista.

    ResponderExcluir
  17. Oiii.
    Amei a resenha, muito bem escrita.
    Mas esse não é o tipo de livro que eu costumo ler. Mas estou pensando em me aventurar então quem sabe eu o leia.
    Leituras da Mary♥

    ResponderExcluir

Seja bem vindo ao blog e obrigada por comentar!