14.3.18

Resenha: Amali


Autora: Jéssica Macedo
Editora: Portal Editora
Número de Páginas: 192
Ano: 2018
Avaliação:    (0,5)
Sinopse: Brasil 1824.Amali nunca aceitou os rumos de sua vida. Arrancada do seio de sua família, foi vendida como escrava em um país desconhecido.
Com um espírito livre e questionador, resiste às imposições e injustiças, sofrendo as amarguras de uma luta silenciada pela opressão e violência.
Colocando em cheque a vida de um recluso barão do interior de Minas Gerais, que havia perdido mais do que se julgava capaz de suportar, Amali mostra toda a sua força, conquistando a própria alforria e lutando pela liberdade dos demais.

Amali foi arrancada de sua terra natal de forma brutal, vendida como escrava e agora precisa aprender a viver uma vida humilhante. A jovem terá de servir como escrava a um barão que mora no interior de Minas Gerais, um homem que sofreu uma grande perda e precisa lidar todos os dias com seus demônios interiores. 
Lendo essa pequena introdução é possível imaginar uma história interessante sendo contada, mas infelizmente não é o que acontece com esse livro. 
Vale lembrar que essa história é baseada em A Bela e a Fera, então vamos acompanhar uma releitura desse conto de fadas.

O barão é um homem recluso que após a morte da esposa acabou afundando-se em sofrimento, não apenas por isso, mas também por sua aparência deformada. Aquele maldito dia mudou tudo em sua vida, ele simplesmente não consegue mais ter forças para viver e acaba ficando cada vez mais afastado das outras pessoas. Essa foi a justificativa que a autora usou para que o barão não notasse tudo que acontecia em sua fazenda, mas isso realmente é muito difícil de engolir.
Fernando deixa basicamente tudo na mão capataz! O que não faz sentindo algum, pois como um senhor não sabe o que acontece em sua fazenda e deixa seus bens serem gerenciados por um empregado que faz o que tiver vontade?
O personagem é completamente incoerente. Ele é contra a escravidão, mas tem escravos em sua fazenda. Seu capataz faz as coisas da forma que lhe convém (comprando escravos e etc) sem qualquer problema e o barão nunca se questionou porque os escravos estarem sendo tratados daquele jeito e todos os outros absurdos?
É impossível que ele veja os escravos imundos/maltratados e não desconfie de nada (a não ser que ele seja cego ou surdo). Se eu vejo um escravo andando igual um animal maltratado eu vou pensar o quê? Que ele ficou assim magicamente?

Agora vamos analisar Amali. Ela aguenta diversas coisas calada em "nome do amor". Como alguém que foi queimado a ferro quente consegue aguentar tamanha humilhação e situações horríveis, e ficar sem sequela psicológica? Isso sem contar as outras coisas que acontecem com ela. 
A jovem muda do dia para a noite assim que começa a ficar atraída por Fernando. A garota que antes bradava aos quatro ventos quem ela era e que iria fugir ... agora está decidida a ficar na fazenda.
Ela como filha de um grande guerreiro/líder tribal não sabe nada sobre a sua tribo, de onde veio ou qualquer coisa que envolva sua terra natal. Isso chega a ser irracional, pois quando uma pessoa é tribal uma das primeiras coisas que ela aprende é a se reconhecer como parte de uma tribo, seus costumes, crenças e tudo mais. Mas, ela não sabe nada que indique de onde ela veio???? 

O livro romantiza diversas situações preocupantes, um exemplo delas é o estupro. O estupro é colocado como algo que não foi consumado e por isso não teria acontecido, que não houve nada demais (como se estupro fosse apenas penetrar outra pessoa), mas temos que saber que estupro não trata-se apenas penetração. O pior de tudo é que esse "artifício" é mostrado apenas para termos Fernando como salvador.
Temos violência verbal e física sendo mostrada como algo banal, e misteriosamente tudo se resolve da forma mais fantasiosa possível. Chega a ser absurdo.
A história compara escravidão a serviços domésticos, como se todas as situações degradantes fossem equiparadas a varrer uma casa, lavar uma louça e etc. Afinal você foi arrancada do seu lar para ser escrava, mas como está acostumada a dividir tarefas domésticas com as irmãs, tudo okay. 

A história toda é incongruente, pois várias coisas não batem. A cronologia do livro está errada, a autora copiou informações do wikipédia para tentar dar "uma aprofundada no enredo", mas o tiro saiu pela culatra - é possível ver os hiperlinks dos artigos copiados.
Juntando tudo isso a enorme quantidade de erros gramaticais, temos um dos piores livros que eu li esse ano. O livro todo é basicamente falta de tato, falta de vergonha e falta de respeito. 

Resolvi não citar todos os erros na resenha, pois o texto ficaria enorme. Mas, creio que deu para entender aonde eu quero chegar. 
A autora trocou a capa e a sinopse para tentar amenizar toda a situação/história, mas isso com certeza não iria diminuir a repulsa que essa leitura causou. Não tenho nenhum ponto positivo para citar.

10 comentários

  1. Oi tudo bem?
    Concordo com tudo que vc descreveu, o livro é tão cheio de erros e incoerência que não sei como tiveram coragem de publicar algo assim, sem contar com a romantização de uma época que não deveria ser romantizada.
    Parabéns pela resenha e pela coragem em terminar a leitura.

    ResponderExcluir
  2. Guerreira!
    Terminar a leitura dessa porcaria é para os fortes.
    Passar de 10% foi impossível pra mim.
    Adorei sua resenha!

    ResponderExcluir
  3. Oi Alice, vi a polêmica que se instalou em torno desse livro, que foi criticado antes mesmo de ser lançado e acho que isso acabou tornando-se um pouco positivo pra autora, e eu que até então não conhecia o livro, a história ou ela passei a conhecer e fiquei com uma pontinha de curiosidade sobre o livro, pois acho que tem que se ler para depois criticar e não achei certo a forma como a autora foi criticada inicialmente, por pessoas que não tinham lido se entendi certo a história da polêmica. Mas eu gosto de pesquisar bastante antes de adquirir uma obra e as resenhas que tenho visto de pessoas que leram, assim como a sua, não estão animadoras e os pontos levantados são bem pontuados, o que é uma pena, a história tinha potencial. Então, pelo menos por agora, não pretendo ler a obra pra tirar minhas conclusões, mas espero que a autora consiga tirar das criticas ensinamentos para seus livros futuros ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas, houveram pessoas que leram antes para poder criticar e ainda sim a autora não soube aceitar.
      É até imoral ela escrever esse tipo de obra e querer que as pessoas aceitem numa boa.
      Pelo discurso dela acerca das criticas duvido muito que ela vá mudar alguma coisa ....

      Excluir
  4. Oi, Alice!

    Não sei se entendi direito essa parte da resenha: "é possível ver os links dos artigos". O que exatamente você quis dizer?

    Beijos,
    Karen Soarele

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ao clicar em determinadas páginas é possível ver diversas palavras sublinhadas com hiperlink de artigos do wikipédia.

      Excluir
  5. Alice!
    O maior mal dos autores é justamente não aceitarem críticas.
    O livro parece mesmo cheio de incongruências e situações qque não dá para entender de forma lógica...
    Nunca tinha ouvido falar do livro e pelo visto, certeza que não farei a leitura, porque tenho outros livros muito bons para ler.
    “Os lírios não bastam. As leis não nascem das flores. Meu nome é luta, e escreve-se na história.” (Luciana Maria Tico-tico)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  6. Não consigo entender como ainda há autores que não se deixam criticar, ainda mais quando à princípio, o trabalho não ficou lá estas coisas.
    Romantizar escravidão??
    Como assim???
    Amenizar toda uma situação grotesca, suja, feia??
    Isso não existe!
    Admito que prefiro não ler coisas assim :/
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Eu me lembro de quando rolou toda polêmica com esse livro na internet mas pelo que eu tinha visto era outro título o livro se chamava a Escrava e a Fera mas eu realmente Achei bem insano da parte da autora e ela esclareceu dizendo que queria que esse livro fosse usado como paradidático mas gente sem cabimento uma coisa dessas

    ResponderExcluir

Seja bem vindo ao blog e obrigada por comentar!