Resenha: Corte de Espinhos e Rosas


Autora: Sarah J. Maas
Editora: Galera Record
Número de Páginas: 434
Ano: 2015
Avaliação:  ☆☆☆☆
Sinopse: Em Corte de Espinhos e Rosas, um misto de A Bela e A Fera e Game of Thrones, Sarah J. Maas cria um universo repleto de ação, intrigas e romance.
Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar um féerico transformada em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação.
Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira que ela só conhecia através de lendas , a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la... Ou Tamlin e seu povo estarão condenados.

Feyre vive uma vida de pobreza, no passado (do que parece ser apenas um sonho) sua família era abastada, mas devido a alguns problemas eles acabaram ficando pobres. Agora ela precisa caçar se quiser alimentar a sua família e a si, só assim Feyre poderá cumprir a promessa que fez a sua mãe.
Devido a escassez de comida, a jovem caçadora precisa ir muito além da sua área habitual de caça se quiser conseguir alguma coisa, então ela acaba deparando-se com um grande lobo no meio da floresta. Ela tem quase certeza que trata-se de um féerico que transformou-se em lobo, por isso ela usa a única flecha de freixo que possuí para abater o animal!

Apesar do extremo cansaço, a caçada foi bastante produtiva, pois ela conseguiu comida suficiente por uns dias e poderá vender a pele do animal que abateu. Mas, Feyre nem imagina que por causa disso sua vida mudará completamente!
Atualmente os humanos vivem livres, mas outrora foram escravizados por criaturas praticamente imortais. Depois de cinco séculos de uma guerra entre espécies, foi firmado um tratado entre os humanos e os féericos.

Em um momento Feyre está feliz porque sua família tem o que comer, no outro ela está desesperada tentando prever os movimentos da enorme besta que invadiu o seu casebre. Sua família precisa dela para sobreviver, mas nada disso importa naquele instante, ela só deseja que todos eles fiquem vivos.
O féerico que invadiu seu casebre revindica a vida de Feyre, ela deveria morrer ali mesmo, pois matou outro féerico e por causa de um acordo ela tem que pagar com sua vida, mas Tamlin está sentindo-se misericordioso naquele momento e oferece para ela deixar seu lar e viver em Prythian - o mundo dos féericos; em troca ele poupará sua vida.
Feyre acaba aceitando com o coração pesado, mas pelo menos ele deixará sua família viver. Assim que possível ela tentará fugir ou quem sabe descobrirá um modo de contornar o acordo. 

Prythian é dividida em reinos/cortes e separada das terras mortais por uma grande muralha, ali tudo é traiçoeiro e caso Feyre não tome cuidado estará morta em breve. Ela deve viver a vida em Prythian como achar melhor, mas dentro das terras de Tamlin ela estará segura das demais criaturas que a estraçalhariam sem nem pensar duas vezes.
Tamlin, o grande senhor da Corte Primaveril, está amaldiçoado! Ele e todas as pessoas da sua corte possuem máscaras presas em seus rostos e essa praga tem se espalhado por toda a terra dos féericos; talvez até chegue ao mundo humano algum dia, mas no momento apenas aquelas criaturas estão sendo afetadas. 
Em outra época, Tamlin era poderoso e quase imbatível, hoje ele é a sombra do que foi um dia e tudo a cerca de Tamlin é selvagem e interessante, e isso chama a atenção de Feyre.

O livro é narrado em primeira pessoa, algo que não costuma me agradar muito e com essa história não foi diferente! Temos muitas descrições e como tudo é visto pelos olhos da personagem, em alguns momentos pensei em desistir da leitura. Muitas pessoas falam bem dessa trilogia, mas eu estava achando tudo muito enfadonho, porém resolvi insistir na história. 
Apesar da narrativa, a autora escreve muito bem e mesmo demorando quase um mês para terminar a leitura eu gostei muito do livro. 

Depois de ter lido a metade do livro que as coisas começaram realmente a acontecer, nada daquilo do que Feyre sabia era "verdade" e ela precisa decidir se quer ter uma vida comum ou se deseja travar uma guerra e defender o amor de sua vida. 
Logo nesse primeiro livro descobrimos porque os féericos estão amaldiçoados e o que acabaria com essa praga para sempre, mas parece algo completamente impossível de fazer.

Vale ressaltar aqui que temos algumas reviravoltas bem interessantes. Comecei odiando uma das irmãs de Feyre, ela não faz praticamente nenhuma tarefa doméstica e espera que a irmã faça quase o impossível para alimentá-la, mas depois de várias páginas eu comecei a não odiá-la tanto assim. Fiquei realmente surpresa com a sua evolução durante a leitura. 

Mesmo não sendo fã de livros em primeira pessoa, a autora me cativou com esse mundo de fantasia a ponto de me fazer desejar ler os próximos livros.
O universo criado pela autora é rico, interessante e feroz, vemos criaturas cruéis e selvagens prontas para matar, e apesar de tudo isso ainda é possível ver beleza em Prythian.
Gostei muito do final da leitura, uma ótima reviravolta que deixa um bom gancho para o livro seguinte.
Não encontrei erros enquanto lia, gosto muito da capa da obra e não tenho nada para reclamar acerca da diagramação 💙.

- Porque sua alegria humana me fascina, o modo como vivencia as coisas em sua curta existência, tão selvagem e intensamente e tudo de uma vez, é… hipnotizante. Sou atraído por isso, mesmo quando sei que não deveria, mesmo quando tento não ser.

• Alice Aguiar • 30 anos, taurina, mora com o marido, um hamster e sua coleção de livros. Apaixonada por seriados, filmes, livros e quadrinhos. E quando sobra um tempinho costuma jogar ragnarok mobile.

Um comentário:

  1. A capa deste livro,aliás, da série toda é maravilhosa!!! E eu ao contrário de você, adoro histórias narradas assim.rs (sei lá, fica mais fácil de eu me colocar dentro do enredo)
    Tenho namorado esta saga desde o começo,mas ainda não consegui ler. Quem sabe agora eu tome vergonha e comece?
    Um mundo à parte, descobertas e este saber que nada é realmente do que jeito que se pensava!!!
    Lerei!
    Beijo

    ResponderExcluir