Resenha: O Visconde Que Me Amava - Os Bridgertons


Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 288
Ano: 2013
Avaliação:  ☆☆☆☆☆
Sinopse: A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva.
Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela.
Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele.
Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.

Anthony Bridgerton é o solteiro mais cobiçado dessa temporada. Sua mãe é claro está louca para arrumar bons casamentos para todos os filhos, e como sempre está fazendo de tudo para que seus planos deem certo. 
Quando Anthony anunciou para os irmãos que iria finalmente casar, um deles quase morreu engasgado; é difícil de acreditar que ele anseia pelo matrimônio, mas o homem tem uma paranoia que está fazendo com que ele antecipe isso o mais rápido possível. 

O Visconde deseja uma esposa que não seja fútil como a maioria das garotas que estão debutando, então ele decide ir atrás de Edwina, a mais bela da temporada e pelo visto não é igual as outras moças. O único empecilho é que Anthony precisa ganhar a aprovação da irmã de Edwina, Kate; o que deveria ser algo simples, mas Kate simplesmente detesta o Visconde com todas as suas forças, ela o considera um grande libertino!

Desde que Edwina anunciou que iria casar apenas se Kate desse sua aprovação, todos os pretendentes correm atrás de Kate para que ela transmita recadinhos para a irmã e tentam ganhar sua aprovação, mas a mulher é dura na queda; ela não vai deixar qualquer um casar com sua irmã mesmo que elas necessitem de um bom casamento para sustentar o resto da família.
Apesar de Kate também estar debutando junto com Edwina, ninguém tem olhos para ela. Diferente da irmã, Kate não é loura ou uma grande beldade, ninguém sequer falaria com ela se Edwina não tivesse anunciado que só casaria com quem Kate aprovasse.
Anthony tenta aproximar-se de Kate já que está em uma missão, mas ele logo percebe que Kate o despreza completamente e isso faz tudo ficar ainda mais interessante.

Desde a morte do pai de Anthony, ele sentiu o peso de ser o responsável pela família recair em suas costas, o pior de tudo é que ele ficou fortemente traumatizado achando que irá morrer jovem como o pai e por isso decide casar-se as pressas. 
Apesar de ser citado de vez em quando no jornal de fofocas como um grande libertino, ele é amoroso e extremamente ligado a sua família, não existe nada que possa detê-lo quando o assunto envolve seus irmãos e mãe.
Kate perdeu os pais muito jovem e sua madrasta a criou como se fosse sua filha de sangue, ela foi uma excelente mãe e nunca a tratou diferente de Edwina. Kate já aceitou que nunca se casará com ninguém, ela levaria uma vida tranquila de solteirona, mas sua madrasta insiste que Kate pode arrumar um bom casamento nessa temporada - e talvez ela esteja certa.

A medida que Anthony e Kate vão encontrando-se durante as situações, é possível ver que cada um tem seus traumas e o livro vai explorando isso profundamente.
Os personagens vão aprendendo sobre seus medos mais profundos e descobrindo coisas que nem sequer imaginavam.

Adorei ver o dilema de Anthony quando percebe que está interessado na irmã "errada". A leitura é envolvente, divertida e é quase impossível não ficar apaixonado com Kate e Anthony!
Inclusive temos um pequeno vislumbre do casal do livro anterior, apesar de ser uma aparição rápida, deu para matar um pouco a saudade.
Mesmo que eu tenha dado notas iguais para os dois livros, essa leitura foi superior ao primeiro no quesito de profundidade. Amei os dois, mas se for estabelecer uma ordem esse com certeza fica em primeiro lugar. 

Por ter lido esse livro em formato digital não tenho nada para falar sobre a obra física. Não encontrei erros enquanto lia e em breve pretendo ler o terceiro livro da série!

-Significa que o amor não tem nada a ver com o medo de que tudo acabe, mas com encontrar alguém que o complete, que faça de você um ser humano melhor do que jamais sonhou ser.

• Alice Aguiar • 30 anos, taurina, mora com o marido, um hamster e sua coleção de livros. Apaixonada por seriados, filmes, livros e quadrinhos. E quando sobra um tempinho costuma jogar ragnarok mobile.

Um comentário:

  1. Mesmo ainda não tenho lido o livro anterior, não há como negar que a série é super recomendada e lendo acima a resenha deste segundo livro, a gente percebe o motivo..rs
    Amo quando os casais que se formam trazem toda esta diferença. Mas confesso que não tinha lido nada sobre um homem desejar se casar(talvez seja este o motivo da história parecer tão diferente)
    Adorei!!!
    E com certeza, se puder, quero conferir todos os livros!
    Beijo

    ResponderExcluir