setembro 23, 2019

Resenha: Graça e Fúria


Autora: Tracy Banghart
Editora: Seguinte
Número de Páginas: 304
Ano: 2018
Avaliação:   ☆☆☆☆
Sinopse: Duas irmãs lutam para mudar o próprio destino no primeiro volume de uma série de fantasia repleta de romance, ação e intrigas políticas. Em Viridia, as mulheres não têm direitos. Em vez de rainhas, os governantes escolhem periodicamente três graças — jovens que viveriam ao seu dispor. Serina Tessaro treinou a vida inteira para se tornar uma graça, mas é Nomi, sua irmã mais nova, quem acaba sendo escolhida pelo herdeiro. Nomi nunca aceitou as regras que lhe eram impostas e aprendeu a ler, apesar de a leitura ser proibida para as mulheres. Seu fascínio por livros a levou a roubar um exemplar da biblioteca real — mas é Serina quem acaba sendo pega com ele nas mãos. Como punição, a garota é enviada a uma ilha que serve de prisão para mulheres rebeldes. Agora, Serina e Nomi estão presas a destinos que nunca desejaram — e farão de tudo para se reencontrar.

Em Viridia as mulheres não tem nenhum direito, elas não podem sequer aprender  ler ou defender-se, os homens mandam em tudo. É nesse lugar que conheceremos a história de duas irmãs, Serina e Nomi.
O governante de Viridia tem o direito de escolher três graças periodicamente, mulheres que foram treinadas a vida toda para serem submissas e agradá-lo em todos os sentidos. Após escolhê-las, elas irão viver no palácio a seu completo dispor. Serina treinou durante anos para ser uma graça, ela deseja isso ardentemente, mas sua irmã Nomi acha isso uma completa estupidez. Elas poderiam tentar fugir e viver livres para fazerem o que quiserem, mas Serina não deseja isso.

Nomi acaba indo com Serina para ser a sua aia, mas durante o processo seletivo ela acaba dando de cara com o futuro governante de Viridia e graças ao encontro dele dois, a mesma é escolhida como uma de suas graças ao invés de sua irmã.
Antes de encontrar o herdeiro, Nomi acaba roubando um livro da biblioteca real e levando consigo para o quarto, o que acaba desencadeando uma grande catástrofe e sua irmã irá pagar o preço por esse grande erro.
Nomi estará sozinha e terá de aprender a viver em um mundo que ela desconhece! Como uma garota que nunca viveu pelas regras poderá se adequar a esse novo mundo?

Serina é delicada, graciosa e submissa, ela nunca imaginou que um dia teria que agredir outro ser humano ... outra mulher, se quisesse manter-se alimentada, mas essa infelizmente é sua nova realidade. Ela sempre foi a mais bonita da família, sua mãe sempre a alimentou mais que os outros, sempre a observou mais e colocou todas as expectativas nela ao invés de olhar para a outra filha. Serina sempre tentou manter Nomi fora de problemas e isso acabou fazendo com que ela fosse punida.
Acompanhamos o crescimento e o amadurecimento de Serina de forma surpreendente. De uma personagem submissa e ingênua, ela transforma-se em uma mulher forte, que é capaz de fazer tudo o que estiver ao seu alcance para manter-se viva e proteger aqueles que ama.
Nomi terá de aprender a jogar o jogo dos reis, terá de ser submissa e controlar sua língua se quiser saber onde sua irmã está. Mas, talvez ela não esteja preparada para um jogo de mentiras, traições, e assassinato.

Eu particularmente coloquei muita expectativa em Nomi e fiquei muito frustada! Parece que ela ficou cega para as ameaças que a cercavam e simplesmente decidiu escolher a pior opção.
Eu comecei a ler o livro e em pouco tempo foi extremamente nítido que esse era o mesmo plot twist do livro A Rainha Vermelha! Então não tive nenhuma surpresa quando finalizei leitura, pois era tudo muito óbvio. Eu já sabia em quem Nomi deveria ou não confiar, passei todo o livro apenas curiosa em como aconteceria a reviravolta da trama.
Tirando isso e o fato de Nomi ser uma decepção como personagem e completamente manipulável, a leitura é muito boa.

O livro tem pontos de vista alternados e uma leitura bastante fluída. Gostei muito da escrita da autora e talvez se ela tivesse trabalhado um pouco mais no enredo ou nos personagens, a leitura tivesse alcançado a nota máxima.
Irei continuar o livro, pois quero muito ver a evolução da Serina e espero uma completa revolução na próxima leitura.
Não li o livro físico e sim o ebook, por isso não posso falar nada acerca da edição física a não ser que já pude ver a capa pessoalmente e ela é maravilhosa.

Não é uma escolha quando você não tem liberdade de dizer não. Um "sim" não tem nenhum valor quando é a única resposta que se pode dar!

4 comentários

  1. Não vejo a hora de poder conferir este livro. Desde seu lançamento, dou aquela namorada nele. Engraçado que ganhei recentemente o segundo livro num sorteio(deve estar chegando), então, vou ter que esperar comprar este primeiro.
    Por mais resenhas que tenha lido até o momento, esta é a primeira que fala sobre essa comparação com A Rainha Vermelha, que diga-se de passagem foi um livro que curti muito.
    Então, já fiquei um pouco apreensiva, por saber que não encontrarei muitas novidades em matéria de enredo.
    Mesmo assim? Quero conhecer as duas irmãs e sua história!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá! Estou adorando conhecer mais sobre esse livro, na verdade ele já se tornou um dos meus queridinhos, mesmo que ainda não tenha lido (#soudessas), como fã de carteirinha de distopias vou amar conferir toda a história, as duas protagonistas parecem ter sua importância, e embora sejam tão diferentes, terão em comum a força e determinação necessárias para conseguirem sair desta situação, acho que sou TeamSerina, a capa é realmente linda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. menina certeza que tu vai ser teamserina, a bicha foi criada pra ser submissa e vira a maior rebelde, maravilhosa!!

      Excluir
  3. Oi!
    O mais bonito desse livro é a união das irmãs, porém eu iria ficar com muita raiva dessa submissão que as mulheres são impostas.

    ResponderExcluir