Resenha: Codinome Villanelle - Killing Eve


Editora: Suma
Autor: Luke Jennings
Ano: 2020
Avaliação:  ☆☆☆☆
Sinopse: Villanelle (um codinome, é claro) é uma das assassinas mais habilidosas do mundo. Uma psicopata hedonista, que ama sua vida de luxo acima de quase qualquer coisa... menos a emoção da caçada. Especializada em matar as pessoas mais ricas e poderosas do mundo, Villanelle é encarregada de aniquilar um influente político russo, e acaba com uma inimiga determinada em seu encalço. Eve Polastri é uma ex-funcionária do serviço secreto inglês, agora contratada pela agência de segurança nacional para uma tarefa peculiar: identificar e capturar a assassina responsável e aqueles que a contrataram. Apesar de levar uma vida tranquila e comum, Eve possui uma inteligência rápida e aguçada – e aceita a missão.
Assim começa uma perseguição através do globo, cruzando com governos corruptos e poderosas organizações criminosas, para culminar em um confronto do qual nenhuma das duas poderá sair ilesa. Codinome Villanelle é um thriller veloz, sensual e emocionante, que traz uma nova voz à ficção internacional.

Nesse primeiro livro temos uma história sendo dividida em apenas quatro capítulos e conheceremos a vida de Villanelle, uma psicopata habilidosa que foi recrutada por uma organização secreta; essa organização exerce uma grande influência no mundo todo. Quem a organização decidir matar está com os dias contados, não interessa quem seja o alvo, ele já é um cadáver ambulante. 
Villanelle gosta da boa vida que tem, das roupas caras e acima de tudo gosta da emoção da caçada, tem prazer em ver a vida se esvaindo dos olhos de outro ser humano.

Do outro lado da história temos Eve Polastri, uma funcionária do serviço secreto que tem pouco apego por sua aparência/moda. Eve é casada e tem dificuldades de conciliar seu horários com os compromissos que envolvem seu marido, mas Niko parece entender na grande maioria das vezes e sempre perdoa Eve por seus atrasos ou faltas.
Eve acaba tendo alguns problema em seu trabalho atual e quando menos espera está trabalhando em uma missão secreta para caçar e capturar a assassina responsável.
Ligar as mortes de Villanelle é praticamente impossível, mas Eve consegue descobrir pequenas pistas e assim uma trilha começa a surgir. 

O livro acabou inspirando a adaptação em forma de seriado, por isso é possível observar pequenas mudanças de uma obra para outra, mas as diferenças apesar de sutis são muito interessantes para cada história. Acabei gostando tanto da versão escrita, como a apresentada na série. 
As mudanças mesmo que pequenas fazem toda a diferença em cada plataforma, deixando cada história única e cheia de camadas.
Conhecemos um pouco do passado de Villanelle, como a organização a recrutou e vemos um pouco sobre o seu treinamento. Diferentemente do seriado que conta pouca coisa sobre seu passado e o pouco que conta é bastante diferente da história apresentada no livro. 

A leitura é bastante descritiva em algumas cenas, como por exemplo descrever roupas, comida e tudo mais, apesar de não ser algo que me agrade, a escrita do autor é bastante envolvente! Então não fiquei incomodada com as descrições de roupas de marca e coisa do tipo. 
A história contém capítulos longos que narram as missões e a vida de Villanelle, como também de sua antagonista Eve. Acompanhamos o desenrolar das investigações e acada vez mais torço para o encontro das duas.

Histórias de espionagens não são muito o meu "forte", mas Villanelle é uma personagem interessante assim como Eve. As duas são cheias características atrativas que fazem o leitor devorar a história em pouco tempo. 
Eu demorei um pouco para ler (não queria acabar o livro), mas por ser uma história de apenas duzentas páginas é possível ler em pouco tempo. 
Não tenho muito o que comentar da edição física, pois li em ebook no kindle, mas não tenho nada para reclamar da edição digital. Inclusive espero ler em breve a continuação 🔪

“Eu sei. Você quer que eu seja sua boneca assassina. Você dá corda, me aponta na direção do alvo, bangue-bangue, e de volta pra a caixa. Sinto muito, mas não é assim que eu atuo hoje em dia.”⠀⁣


Obs: Livro cedido pela editora na plataforma Netgalley.

Um comentário

  1. Oi Alice,

    Eu acho que nunca li um livro de espionagem, mas acho que eu gosto dessa brincadeira de gato e rato, ainda mais sendo uma história com personagens femininas. Espero que o autor tenha conseguido escrever mulheres sem esteriotipar.

    Não conheço o Netgalley, mas fiquei curiosa.

    Apesar do Caos

    ResponderExcluir