Resenha: Canções de Atormentar

outubro 22, 2020

 


Autora: Angélica Freitas

Editora: Companhia das Letras 

Número de Páginas: 112

Ano: 2020

Avaliação:  ☆☆☆

Sinopse: Oito anos depois da publicação do já célebre Um útero é do tamanho de um punho ― lançado em 2012 pela Cosac Naify e reeditado em 2017 pela Companhia das Letras ―, Canções de atormentar traz o olhar afiado de uma poeta que, com inteligência e ironia, observa a si e ao mundo. Os poemas rememoram a infância no Sul, com o pé de araçá plantado pela avó, relatam o esforço inútil de tentar compreender o Brasil de hoje e discutem a injustiça, o machismo e a nostalgia de uma nação que não passou de projeto. Em porto alegre, 2016, que trata da migração e dos protestos nas ruas, violentamente refreados pela ordem pública, a poeta escreve: agora a colher cai da boca/ e o barulho de bomba é ali fora/ e a polícia vai pra cima dos teus afetos/ munida de espadas, sobre cavalos. Canções de atormentar reúne poemas ora ferozes, ora desiludidos, sem nunca perder de vista a urgência, a vivacidade, o humor e o tom incisivo que consagraram Angélica como um dos nomes mais originais da literatura contemporânea.


Em canções de atormentar encontraremos poemas irônicos, divertidos e recheados de memórias. Em alguns de seus textos vemos a autora discutindo a injustiça, o machismo e a nostalgia dos tempos de infância, são textos interessantes, mas que não me trouxeram nenhum "sentimento muito profundo", por assim dizer. 

Um ou outro poema é realmente intrigante e se for analisado com calma pode ter diversos significados, mas em sua grande maioria eu apenas lia as palavras e não conseguia me conectar com a leitura. Praticamente todo o livro foi bastante enfadonho! 


Não é uma leitura muito grande, por isso pode ser feita em um único dia. Confesso que esperava mais dos poemas devido aos grandes elogios que eu li sobre o livro anterior da autora (Um Útero é do Tamanho de um Punho), talvez eu tenha ido com muita sede ao pote e por isso acabei me decepcionando. 


Sinceramente eu não tenho muitos comentários sobre a leitura e devido ao fato de ter feito a mesma no kindle, não posso comentar sobre a edição física. 

Não encontrei erros na versão digital e apesar de não ter sido envolvida pelos poemas, eu adorei a capa do livro.


alguém um dia
te disse
tu és tão bonita
ou tu te olhaste
no espelho
e pensaste
sou tão bonita

que triste ser bonita
ser bonita o suficiente
ser bonita

Postar um comentário