Resenha: A Revolução dos Bichos

maio 27, 2021

 


Autor: George Orwell

Editora: AVIS RARA

Número de Páginas: 160

Ano: 2021 

Avaliação:  ☆☆☆☆☆

Sinopse: Publicado 75 anos atrás, A revolução dos bichos mantém em sua narrativa alegórica uma reflexão fundamental para os nossos tempos. No entanto, a correlação com os fatos que inspiraram o autor a escrevê-la quase sempre foi omitida. Aqui apresentamos a obra como ela, de fato, é: uma crítica contundente a Revolução Russa, ao socialismo real que foi posto em prática e a figuras como Marx, Lenin e Trotsky. Sátira política devastadora e fábula moral espirituosa, na tradição de Esopo, La Fontaine, Swift e Voltaire, narra a rebelião dos animais de uma granja contra o dono da propriedade, em busca de uma vida melhor. Porém, não muito tempo depois, os elevados ideais de liberdade, justiça e igualdade são traídos e um novo regime de opressão substitui a tirania anterior. “Todos os animais são iguais, mas alguns animais são mais iguais que os outros” passa a ser o único mandamento em vigor e condensa em poucas palavras como o poder corrompe até mesmo as causas mais nobres. Em A revolução dos bichos, Orwell, espírito independente e radical nato, desencantado com os descaminhos da Revolução Russa de 1917, satiriza, por meio de uma fábula, o totalitarismo do regime stalinista, feito de mentiras, traições e terror.

A revolução dos bichos trata-se de um clássico atemporal, foi publicado há 75 anos atrás e até hoje sua narrativa contém reflexões que servem para os tempos atuais. 
Nessa sátira a politica stalinista iremos acompanhar a história de Major, ele é o porco que tem mais idade na Granja e um dia ele tem um sonho onde os animais eram livres das explorações do ser humano, e poderiam finalmente consumir o que produzem. Isso seria conhecido como Animalismo, uma sociedade onde todos os animais seriam vistos como iguais. E se eles colocassem essa ideia em prática? 

Então os animais começam a estruturar uma revolução, porém após um acontecimento em questão outros animais (Bola de Neve e Napoleão) tomam a rédea da situação, no começo eles pregam liberdade e igualdade (e até mesmo conseguem colocar o proprietário do rancho a sua família para fora). Contudo Bola de Neve e Napoleão discordam de absolutamente tudo, depois de muitas discussões acontece um golpe e outro animal entra em ascensão. 

Com o passar do tempo os animais ficam corrompidos pelo poder, os mandamentos entre eles começam a se modificar aos poucos e alguns animais passam a trabalhar mais do que anteriormente, outros se tornam submissos e oprimidos. No final das contas apenas as narrativas que interessam são contadas, as histórias estão cada vez mais sendo reescritas pelo ponto de vista que os poderosos desejam e os porcos finalmente se juntam aos humanos, tanto que é impossível distingui-los (afinal, os animais estão andando apenas em duas patas). 
Como o autor mesmo citou: ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo, o poder não é um meio, é um fim em si. Vamos vendo a ganância crescendo entre os animais, a corrupção cada vez mais forte e a desigualdade estabelecendo quem é que manda. 

Com passagens marcantes e reflexões atuais, esse clássico trás uma leitura fluída e muito importante. Foi uma leitura muito envolvente que eu não imaginava que iria gostar tanto, realmente vale muito a pena. É incrível como de forma simples e interessante o autor conseguiu passar a mensagem. 
A edição física da editora está maravilhosa, tem uma diagramação muito bonita. 

Todos os animais são iguais. Mas alguns animais são mais iguais que os outros.

Qualquer coisa que ande sobre duas pernas é o inimigo.





Um comentário

  1. Esse livro foi uma das últimas leituras e só não entendo os motivos de não o ter lido antes!
    Que enredo, que fascinante enxergar a sociedade assim e mesmo sendo escrito há tanto tempo, é atual demais!!!
    Eu quero tudo de Orwell!
    Beijo

    Angela Cunha/O Vazio na flor

    ResponderExcluir