F Resenha: Procure nas Cinzas | Seguindo o Coelho Branco

Resenha: Procure nas Cinzas

janeiro 18, 2022

 

Autor: Charlie Donlea 

Editora: Faro Editorial

Número de Páginas: 356

Ano: 2021

Avaliação:  ☆☆☆☆☆

Sinopse: O ataque terrorista às Torres Gêmeas do World Trade Center chocou o mundo vinte anos atrás, mas, para uma família, esse atentado teve um gosto mais amargo. A destruição dos edifícios deu fim à vida de Victória, a principal suspeita de um crime brutal ― sem que ela tivesse a chance de se defender. E sua irmã, Emma, ainda tinha um assunto pendente: naquele momento extremo, pouco antes de o prédio desabar, Victoria conseguiu realizar uma última ligação pedindo que Emma a ajudasse a provar sua inocência. O caso fica abandonado por duas décadas, até que a evolução das técnicas forenses possibilitou a identificação do DNA de uma das vítimas dos ataques ― justamente da mulher que foi considerada culpada pelo assassinato de um conhecido escritor. Avery Manson, uma famosa apresentadora de TV, vê no caso uma oportunidade de alavancar ainda mais a sua carreira. Seu faro jornalístico a leva até Emma, e ela decide fazer o que for preciso para reabrir o caso, expor as falhas da polícia e descobrir se Victoria era ou não inocente. Avery não imaginava que seria preciso remontar um complexo quebra-cabeça para se chegar à verdade. E ela própria guarda também muitos segredos que, na busca insaciável por conseguir uma ótima história, podem ser expostos e destruir todo o sucesso que conquistou. Para quem ama os clássicos de Agatha Christie ou adora suspenses e personagens misteriosos e envolventes. Procure nas cinzas, lançamento da Faro Editorial, cria um emaranhado de tramas e personagens interessantes, capazes de tudo, e que irão fisgar os leitores até as últimas páginas.

Vitoria Ford é a principal suspeita de um assassinato brutal, ela afirma veementemente que é inocente e que armaram a cena do crime para coloca-la como suspeita. Todas as provas apontam para ela, mas Vitoria acaba sendo uma das vitimas do atentado de 11 de setembro.
20 anos depois o leitor conhece Avery Mason, ela está no auge novamente após ver sua vida ruir diante de seus olhos. Avery está trabalhando para ter mais reconhecimento na emissora e para isso precisa ir atrás de uma história que irá instigar seus telespectadores. Existe uma nova tecnologia de reconhecimento de DNA e essa tecnologia identificou um dos restos mortais de uma das vitimas do atentado de 11 de setembro. 

Avery vai ao encontro da irmã da vitima que foi identificada, Emma é irmã de Vitoria e a mulher acabou ligando para Emma no dia do atentado pedindo para que ela acredite em sua inocência e não desista de provar que ela não é esse monstro que todos pensam. Emma manteve a gravação dessa ligação todos esses anos e Avery sabe nesse instante que está com uma boa história diante dela, Avery precisa investigar o assassinato e descobrir a verdade por detrás desse mistério. 
O problema é que Avery tem um passado que precisa manter escondido, ela não usa cartões de crédito ou qualquer recurso que deixe algum rastro.

O detetive que investigou o caso no passado atualmente está aposentado, mas não demora muito para que Walt seja chamado para ajudar a destrinchar essa teia de pistas e mentiras que cercam toda essa história. 
Os capítulos são intercalados entre o passado e o presente, e também vemos toda a história pelo ponto de vista de Avery, Walt e Emma, e os segredos que eles escondem. Com capítulos curtos e instigantes, temos uma leitura envolvente e cheia de mistérios, é impressionante como o autor brinca com o leitor e quando você menos espera acontecem reviravoltas que mudam o rumo da situação em que os personagens se encontram. 

No começo a leitura é um pouquinho arrastada, mas quando a trama começa a fluir e o leitor começa a suspeitar das pessoas: é ai que o livro te pega de jeito!
Eu gostei muito da leitura e me deixei ser completamente levada pela trama, mas confesso que uma coisinha ou outra eu já imaginava, mas no geral o autor soube brincar muito com o leitor e tornou as reviravoltas interessantes demais. 
Gosto muito da escrita do Donlea, só acho que houve muitas informações no começo sendo jogadas na história e fiquei um pouco confusa até pegar o ritmo. 

O livro mantém o padrão da editora no quesito diagramação perfeita, amo o capricho que a Faro tem com as edições físicas. 
Não encontrei nenhum erro enquanto lia e com certeza pretendo ler os livros do autor, vou aproveitar para ler os livros que ainda não li enquanto ele não lança algo novo. 


Postar um comentário