Resenha: Princesa Mecânica - As Peças Infernais

abril 30, 2020


Autora: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Número de Páginas: 434
Ano: 2013
Avaliação☆☆☆☆☆
Sinopse: Continuação de Príncipe mecânico, “Princesa Mecânica” é ambientado no universo dos Caçadores de sombras, também explorado na série Os Instrumentos mortais, que chega agora ao cinema. Neste volume, o mistério sobre Tessa Gray e o Magistrado continua. Mas enquanto luta para descobrir mais sobre o próprio passado, a moça se envolve cada vez mais num triângulo amoroso que pode trazer consequências nefastas para ela, seu noivo, seu verdadeiro amor e os habitantes do Submundo.

Essa Resenha contém spolier's 

Nesse último livro da trilogia as peças infernais, encontraremos finalmente um final para os mistérios que envolvem Tessa Gray e o Magistrado. Em meio a um triângulo amoroso que eu sinceramente não saberia quem escolher, Tessa Gray terá de ser forte e ainda tentar sobreviver a uma guerra sem precedentes.
Jem está cada vez mais doente e descobrimos que ele não vem tomando sua droga regularmente, muito pelo contrário, vem tomando em doses excessivas para poder manter-se sempre a todo vapor e acompanhar Tessa, mas isso acaba sendo um problema, pois o Magistrado comprou todo o estoque da cidade e Jem está morrendo devido as grandes doses que vem tomando. 

Então o Magistrado faz uma proposta, a droga que pode manter Jem vivo será dada a ele se Tessa se entregar ao Magistrado. Claro que isso não irá acontecer, mas por um momento a jovem cogita se sacrificar para manter Jem vivo.
Enquanto isso acontece, Jessamine acaba saindo de onde está presa e Charlotte a aceita de volta no instituto. Mesmo depois de tudo o que ela fez com os caçadores de sombras, Charlotte acredita que Jessamine pode ter uma segunda chance, mas algo dá extremamente errado. Afinal, o Magistrado não perdoaria Jessamine pelo o que ela fez, ela precisa ser punida devidamente.
No dia que Jessamine está voltando para o instituto, vários autômatos atacam sua carruagem e a ferem gravemente, e logo após isso atacam o instituto, levando Tessa com eles. Agora Tessa terá de arrumar um meio de fugir.


Acompanhamos ao mesmo tempo várias histórias, como por exemplo os filhos de Benedict Lightwood que vivem no instituto de Londres devido aos acontecimentos anteriores. Eles acabam tendo que espiar Charlotte para o Cônsul Wayland, apesar de reportarem apenas bobagens, o Cônsul acredita que Charlotte esconde algo e por ser mulher está apenas dizendo bobagens sem sentido sobre os caçadores de sombras correrem perigo e que ela não tem pulso firme para comandar o instituto, sendo assim ele não apoia nenhum dos seus pedidos de ajuda. Ele deseja que os irmãos Lightwood descubram algo sobre ela, algo terrivelmente grave que faça com que ele tire ela da direção do instituto.

Tudo isso porque Charlotte foi cogitada a ser Consulesa, ou seja, Wayland sairia de seu cargo e Charlotte seria a nova pessoa que comandaria todos os caçadores de sombras. 

Depois que Tessa é levada pelo Magistrado, Jem acaba descobrindo que Will, seu parabatai está apaixonado por sua noiva e mesmo sabendo disso tudo, pede para que ele tente resgatar Tessa antes que seja tarde demais.
Will parte em sua jornada suicida e Charlotte pede ajuda dos demais caçadores, mas a ajuda acaba não vindo, pois o Cônsul convoca uma reunião de última hora completamente sem sentido para desacreditar Charlotte. Os únicos que acabam aparecendo são alguns irmãos do silêncio que irão lutar ao lado dos caçadores de sombras para tentar acabar com o Magistrado e seu exército de autômatos.
A cada minuto que se passa a vida de todos os caçadores de sombras corre perigo e acabamos descobrindo segredos sobre famílias antigas, segredos esses que revelam mais sobre Tessa e o Magistrado.

O livro é eletrizante, cheio de amor, batalhas e muitas reviravoltas. Devorei ele logo assim que terminei o segundo livro.
Confesso que alguns mistérios eu já havia descoberto, mas ainda assim não sabia como havia sido possível, então de certa forma ainda foi uma surpresa.
Vemos Magnus Bane tendo um papel muito importante nessa trilogia, descobrimos muito sobre o passado e como várias coisas se encaixam na série instrumentos mortais. 
Não sei porque demorei tanto tempo para ler essa trilogia, mas como sempre a autora me deixando de coração partido. Apesar de ter algumas mortes e ferimentos incuráveis, ainda temos finais felizes!

É interessante acompanhar o crescimento de cada personagem e de como a coragem, o dever e o amor são colocados acima de tudo, mesmo que eles sejam mortos por isso, mesmo que seu próprio povo não esteja ao seu lado, alguns poucos caçadores de sombras estarão lá para lutar pelo que é certo. Foi uma leitura maravilhosa e não consigo nem esconder como sou apaixonada pelo universo que a autora criou. 

Li a edição de bolso em inglês, então não posso citar muito sobre a edição brasileira, mas dei uma leve olhada no ebook e não achei nada que me incomodasse. 

“A medida do amor é amar sem medida”

Postar um comentário