janeiro 31, 2021

Lançamento: Revolta da Vacina

 


Sinopse: Há pouco mais de um século, no final do ano de 1904, o Brasil vivia uma crise social e sanitária. Enquanto o país tentava se ajustar à recente mudança de sistema de governo, de Império para República, proliferavam-se as moléstias causadas pelo saneamento precário, e por mosquitos e ratos, como a varíola, a febre amarela e a peste bubônica. O epicentro da crise era a então Capital Federal do país, a cidade do Rio de Janeiro, em que essa crise social se transfigurava em uma crise urbanística. O Rio era uma cidade caótica, de urbanização colonial, despreparada para comportar a própria população, que crescia cada vez mais. Além de destino de emigrantes de todas as partes do país e do mundo, no alvoroço de seu ambiente social coabitavam os herdeiros da escravidão, recém-libertos, e uma elite que buscava repelir toda a cultura não dominante, ou seja, dos pobres e de matriz africana. Nada que não tenha persistido – ou se intensificado – com a passagem do século. A solução encontrada para a crise urbanística foi uma reforma geral na cidade, em que os moradores de cortiços foram escorraçados para os morros da cidade. A solução para a epidemia foi a vacina compulsória, idealização do sanitarista Oswaldo Cruz, o que gerou uma revolta na população.
Esse é o pano de fundo para a história de Revolta da Vacina, do renomado quadrinista André Diniz, autor de mais de trinta obras, entre elas Morro da Favela, e vencedor de inúmeros prêmios como roteirista e ilustrador de histórias em quadrinhos. Na obra, acompanhamos a trajetória de Zelito, um jovem ilustrador cearense que parte para o Rio de Janeiro e tem seis meses para provar ao pai que poderá construir uma carreira de futuro. Na capital, enquanto procura trabalho como cartunista nos jornais, ele se envolve nas manifestações que iriam culminar na rebelião que sacudiu a cidade naquele ano de 1904.

Sobre o autor: André Diniz é roteirista e ilustrador de histórias em quadrinhos. Nasceu em 1975 no Rio de Janeiro e mora em Portugal desde 2016. Entre 2000 e 2005, publicou diversos trabalhos pela Nona Arte, sua própria editora. A partir de então, passou a publicar suas obras por outras editoras, somando mais de trinta títulos de sua autoria, várias delas premiadas, seja como roteirista, seja como ilustrador dos próprios roteiros. Foi editado em diversos países, entre eles França, Inglaterra, Portugal e Polônia. Entre seus trabalhos mais conhecidos, estão Fawcett (2000, com arte de Flávio Colin, ganhador do prêmio Ângelo Agostini), 7 Vidas (2009 com arte de Antonio Eder, ganhador do Troféu hqmix), O Quilombo Orum Aiê (2010), Morro da Favela (2011, ganhador do Troféu hqmix) Matei Meu Pai e Foi Estranho (2017) e O Idiota (2018). Saiba mais em andrediniz.net.

Postar um comentário

@coelhoobrancoo

© Seguindo o Coelho Branco. Design by Eve.