janeiro 09, 2021

Resenha: Frankenstein - Clássicos Zahar [Edição Bolso de Luxo]

 


Autora: Mary Shelley

Editora: Zahar

Número de Páginas: 312

Ano: 2020

Avaliação:  ☆☆☆☆☆

Sinopse: A mais famosa história de horror de todos os tempos em edição bolso de luxo. Obcecado pela ideia de dar vida à matéria inanimada, o cientista Victor Frankenstein entra em pânico e foge quando finalmente consegue ter sucesso criando um monstro feito de restos humanos. Entregue ao abandono e à rejeição, a criatura vai atrás do seu criador, em busca de respostas e vingança.Mais famosa história de horror de todos os tempos, Frankenstein impressiona pela capacidade de causar arrepios ainda hoje, mais de duzentos anos após a sua publicação. Impressiona também pelo poder de nos fazer refletir de forma profunda sobre temas tão atuais como a solidão, o preconceito e a prepotência humana.

Com tradução do escritor Santiago Nazarian, autor de romances que flertam com o suspense e o terror psicológico, essa edição bolso de luxo da coleção Clássicos Zahar, traz o texto integral e uma instigante apresentação. A versão impressa apresenta ainda capa dura e acabamento de luxo.



Essa história começa no navio do capitão Robert Walton. Através de cartas para a sua irmã o capitão conta que durante sua passagem pelo Polo Norte, ele e seus homens encontraram uma criatura puxada por cães, mais a frente eles acabam resgatando Victor Frankenstein, e o mesmo começa a contar sua história. 
Victor é filho de aristocratas, ele deseja trazer um corpo inanimado a vida, mas isso é quase impossível. Ele começa a se dedicar arduamente em seus estudos, forma-se em medicina e em uma noite de tempestade consegue finalmente trazer alguém a vida, mas acaba ficando enojado por sua criação e abandona a criatura a sua própria sorte. 

Durante a faculdade de medicina Victor foi devidamente advertido por seus professores por se interessar por alquimia, eles sempre trataram tal assunto como uma ciência menor/ ultrapassada, mas ele sempre esteve tão interessado sobre o mistério da criação que resolveu descobri-lo; ele inclusive omite detalhes sobre como criou a criatura para o capitão, talvez por medo de que tal monstruosidade seja feita novamente.
Victor não estava preparado para as consequências de seus atos, sua curiosidade o cegou para todas as coisas e agora as pessoas que ama e que o rodeiam estão em constante perigo por sua causa. 

O médico não é um narrador confiável, ele se faz de vítima sempre que possível e coloca o leitor contra a criatura. Mas, toda história tem dois lados, correto? E se a criatura não tivesse culpa de seus atos?
O livro é uma critica a busca desenfreada por avanços na ciência, trata-se de um dos maiores clássicos do terror gótico e um grande precursor da ficção cientifica. A leitura fala essencialmente sobre valores humanos, e sobre os limites da ciência e sua ética. Também é possível encontrar outros temas sendo abordados como o preconceito, pois constantemente vemos a criatura sendo hostilizada devido a sua aparência. 

O ponto alto da leitura é o encontro entre o criador e a criatura, realmente muito interessante ver esse embate. O leitor consegue entender o ódio da criatura pela humanidade, afinal os seres humanos não mostraram nada além de desprezo, abandono e hostilidade.  Afinal, o que faz de nós monstros?

Apesar de Frankenstein ser uma leitura atemporal, muitos tem receio de ler clássicos, e digo com toda convicção que esse livro é algo completamente necessário! É instigante e muito envolvente. 
É interessante como em um momento o leitor é levado a sentir-se enojado com a criatura, mas em outro está completamente compadecido por suas mazelas. 

Não posso opinar sobre a edição física, pois li o ebook, mas posso informar que o livro possui capa dura! Outra informação interessante é que o monstro não se chama Frankenstein, na verdade ele sequer recebeu um nome, é apenas chamado de "criatura", "o monstro" ou "aquilo". 

2 comentários

  1. Olá,
    Faz tempo que li esse livro e me surpreendeu o fato do Victor ser o verdadeiro vilão da coisa. To doida pra reler!
    Essas edições da Zahar são lindas, fico babando em todas.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  2. Essas edições da Zahar estão um escândalo de lindas!
    Eu tenho a edição da DarkSide na estante e pretendo ler em breve. Acredito que sim, seja um clássico necessário e tenho a ligeira impressão de que irei gostar demais rs
    Beijo

    Angela Cunha/O Vazio na flor

    ResponderExcluir

@coelhoobrancoo

© Seguindo o Coelho Branco. Design by Eve.