Resenha: Arlindo

julho 04, 2021

 

Autora: Ilustralu

Editora: Seguinte

Número de Páginas: 200

Ano: 2021

Avaliação:  ☆☆☆☆

Sinopse: Arlindo é um garoto cheio de sonhos e vontade de encontrar seu lugar no mundo. Tudo o que ele quer é seguir sua vida de adolescente na cidadezinha onde mora, no interior do Rio Grande do Norte. Ele aluga filmes na locadora com as amigas todo sábado, sente o coração bater mais forte pelas primeiras paqueras, canta muito Sandy & Júnior no chuveiro, e ainda cuida da irmã mais nova e ajuda a mãe a fazer doces para vender.
Por mais que ele se esforce e dê o seu melhor, muita gente na cidade não aceita Arlindo ― o que traz uma série de problemas na escola e até mesmo dentro de casa. Aos poucos, porém, ele vai perceber que vale a pena lutar para ser quem ele é, ainda mais quando tem tanta gente com quem contar.
Com um traço divertido, cores vibrantes e um monte de referências aos anos 2000, esta história em quadrinhos que já conquistou milhares de fãs na internet fala sobre encontrar forças nas pessoas que a gente ama e dentro de nós mesmos.

Arlindo trata-se de uma história sobre descobertas, amizade e amor. Uma história sobre você encontrar seu lugar no mundo e saber que não está sozinho. 
Lindo está descobrindo sua sexualidade, mas seu pai é uma pessoa preconceituosa e de mente fechada, que fica o tempo todo falando coisas absurdas sobre alguns assuntos. Lindo tenta deixar isso de lado, mas as vezes é muito difícil de suportar. Com o apoio dos amigos e da mãe, Arlindo vai vivendo sua adolescência da melhor maneira possível. 

O quadrinho se passa nos anos 2000, por isso se prepare para muitas referências a época e um pouco de nostalgia (para quem viveu esse período). A história trabalha muito bem a amizade, Arlindo apoia seus amigos e também é apoiado pelos mesmos; nessa época da vida nossos hormônios estão a flor da pele e tudo é potencializado, mas não pense que os problemas de Arlindo são superficiais. 
O pai de Arlindo coloca muita pressão nele, vive dizendo que Arlindo precisa "virar homem" e é bastante agressivo quando o assunto envolve sexualidade. 

Enquanto Arlindo está lidando com o pai homofóbico, ele percebe que talvez esteja interessado em alguém da escola, mas isso com certeza não vai acabar tão perfeito como ele espera, afinal não é apenas seu pai que é preconceituoso, mas alguns garotos da escola também são. 
O leitor acompanha o dia a dia de Arlindo e sua família, e todas as questões que envolvem sua sexualidade e sua adolescência. 

O quadrinho é ambientado no nordeste e por isso vemos o dialeto/cultura e isso foi um ponto muito positivo, gosto quando os autores sabem ambientar bem suas histórias.
Arlindo foi uma história sem muitas tramas complicadas ou reviravoltas elaboradas, mas isso não tira a beleza da leitura! É uma obra para aquecer o coração, com personagens simples e reais, porém algo que me incomodou um pouco, o "romance secundário" da trama. 
Eu senti que o relacionamento da Lis simplesmente aconteceu do nada e foi só isso, apenas existiu e pronto, zero desenvolvimento, e isso me incomodou muito porque eu gostaria que tivesse sido melhor abordado. Tirando esse ponto eu não tenho nenhuma reclamação acerca da história, ela cumpre muito bem o seu papel.
O livro foi disponibilizado para mim pela plataforma netgalley, por isso não citarei a edição física. 




Postar um comentário