Resenha: Amante Eterno - Irmandade da Adaga Negra

novembro 03, 2021

 

Autora: J.R. Ward

Editora: Universo dos Livros

Número de Páginas: 448

Ano: 2010

Avaliação:  ☆☆☆☆

Sinopse: Nas sombras da noite em Caldwell, Nova York, desenrola-se uma sórdida e cruel guerra entre os vampiros e seus carrascos os redutores. Há uma irmandade secreta, sem igual, formada por seis vampiros defensores de sua raça.
Possuído por uma besta letal, Rhage é o membro mais perigoso da Irmandade da Adaga Negra. É o melhor lutador, o mais rápido a reagir e o amante mais voraz, porque em seu interior arde uma feroz maldição lançada pela Virgem Escriba. Possuído por esse lado sombrio, Rhage teme constantemente que o dragão dentro de si seja liberado, convertendo-o num perigo letal para todos à sua volta.
Mary Luce, uma sobrevivente de muitas adversidades, entra de maneira involuntária no universo dos vampiros, contando apenas com a proteção de Rhage. Concentrada em combater sua própria maldição, potencialmente mortal, Mary não está em busca de amor e perdeu sua fé em milagres tempos atrás. Mas quando a intensa atração animal de Rhage se transforma em algo mais emocional, ele sabe que Mary precisa ser sua e de mais ninguém. Enquanto os inimigos fecham o cerco, ela luta desesperadamente para alcançar a vida eterna com aquele que ama...

Rhage é o vampiro mais bonito entre seus irmãos, mas também é o mais perigoso! Ele foi amaldiçoado há muito tempo pela Virgem Escriba por causa de seu comportamento e agora precisa viver com uma besta dentro de si, uma besta que nem sempre está de bom humor e deixa um rastro de destruição por onde passa. 
Devido alguns problemas Mary Luce acaba ajudando uma amiga e o caminho entre ela e Rhage se cruzam, a partir daí Rhage sabe que precisa tê-la em sua vida, mas humanos e vampiros não devem conviver uns com os outros.

Mary não consegue compreender como Rhage está interessado nela, atualmente Mary está lutando contra um terrível câncer e em breve não será nada bonito o estado que ela vai estar, mas Rhage não quer saber disso, ele deseja apenas estar com Mary o tempo que puder. Ele até mesmo briga com seu líder para ter o direito de reivindicar Mary como sua companheira. 

A medida que os dois vão convivendo Rhage não consegue olhar para outras mulheres e sexo é uma das coisas que mantém a besta adormecida. Como ele faria sexo sem machucar Mary? Ou pior, como ele faria isso e manteria a besta quieta? Ao que parece a besta que vive dentro dele também está interessada em Mary.
Apesar do livro focar no romance entre os dois, a guerra entre os redutores ainda está sendo travada e em capítulos alternados vamos vendo um pouco mais sobre essa sociedade secreta que deseja a completa destruição dos vampiros. 

Temos um vislumbre muito interessante do próximo casal. Bella é a vizinha que mora ao lado de Mary, ela é uma vampira civil, mas conhece os protetores de sua espécie e fica preocupada quando nota um vampiro ainda não transformado ao redor de Mary. É Bella quem avisa sua espécie sobre a situação de John e a irmandade decide intervir. 
É nessa ocasião que Bella conhece Zsadist, o irmão mais imprevisível entre os vampiros da irmandade da adaga negra.

Vemos um pouco mais sobre a vida de John, ele não consegue falar, mas escuta perfeitamente bem e não consegue explicar porque seu corpo reage do jeito que reage ... nenhum alimento para em seu estomago e ele tem alguns sonhos/visões que o deixam confuso. Mary o ajuda a se comunicar com a irmandade e ao que tudo indica John é um vampiro, ele está na fase antes da transformação e precisa de ajuda. Eles não sabe o porque dele estar sozinho, mas a partir de agora ficará sob os cuidados da irmandade.

Rhage e Mary são um ótimo casal, gosto das camadas de cada personagem. O que cada um esconde quando ninguém está olhando, como eles tentam ser fortes e mascaram a dor para manter os outros em segurança. 
E como sempre os vampiros criados pela autora são bem intensos, possessivos e levemente dramáticos!

Gostei muito da escrita da autora neste livro, é possível ver que ela evoluiu um pouco e está começando a desenvolver mais o universo que criou. Estou curiosa em saber quando os irmãos vão descobrir o segredo de John e mais curiosa ainda para ver o novo casal. 

Como sempre acho que a autora foca muitos capítulos no ponto de vista dos redutores, eles são a parte menos interessante da trama e cada capítulo deles tem sido um tormento. Dá vontade de pular e focar apenas na história pelo ponto de vista dos vampiros. 
Algo que me incomodou um pouco nessa leitura foi o final, pois ele é bem óbvio. Por mais que você diga que não sabe, sabemos que a autora vai colocar um final feliz depois de toda a provação que tem sido a vida desse casal. Os problemas são resolvidos em um piscar de olhos pela Virgem Escriba e torna tudo um pouco broxante. No mais ansiosa pela próxima leitura! 


Postar um comentário