Resenha: Estilhaça-me

novembro 15, 2021


Autora: Tahereh Mafi 

Editora: Universo dos Livros

Número de Páginas: 352

Ano: 2014

Avaliação:  ☆☆☆☆☆


Sinopse: Juliette nunca se sentiu como uma pessoa normal. Nunca foi como as outras meninas de sua idade. O motivo: ela não podia tocar ninguém. Seu toque era capaz de ferir e até matar .Durante anos, Juliette feriu e, segundo seus pais, arruinou o que estava à sua volta com um simples toque, o que a levou a ser presa numa cela.
Todo dia era escuro e igual para Juliette até a chegada de um companheiro de cela, Adam. Dentro do cubículo escuro, Juliette não tinha notícias do mundo lá fora. Adam ia atualizando-a de tudo.
Juliette não entendeu bem o que estava acontecendo quando foi retirada daquela cela e supostamente libertada, ao lado de Adam, e se vê em uma encruzilhada, com a possibilidade de retomar sua vida, mas por caminhos tortuosos e totalmente desconhecidos.
"Estilhaça-me" é um romance fantástico, que intriga, angustia e prende o leitor até a última página com uma história surreal que mistura amor, medo, aventura e mistério e traz um desfecho surpreendente.

Juliette está trancafiada em um hospício há muito tempo, mesmo assim ainda consegue (não) manter sua sanidade mental. Ela não pode tocar ninguém e a última vez que Juliette fez isso acabou sendo presa por assassinado, pois seu toque é fatal. 
Todos os dias ela escreve em um caderno improvisado enquanto o mundo lá fora desmorona, ninguém iria se importar com uma adolescente mortal enquanto o mundo passa fome, os pássaros não cantam mais e tudo que as pessoas conhecem é o Restabelecimento

Um dia alguém é jogado em sua cela, seu nome é Adam. Juliette certifica-se o tempo todo que não irá tocar nele, ela não quer que outra tragédia aconteça. Enquanto isso Adam está ali para verificar se Juliette está em com as faculdades mentais em dia para ser capaz de ser recrutada para o Restabelecimento. 

Por que Juliette não deveria ajudar o Restabelecimento? Eles pregam que são a única salvação da humanidade e para Warner (o comandando do distrito em que Juliette está) a garota é uma valiosa arma e não uma ameaça, então ajudar talvez não fizesse nenhum mal .. não é mesmo? Ela não estaria ajudando a humanidade a se reerguer? 
Com capítulos curtos e um ritmo frenético, Estilhaça-me tem uma narrativa muito boa. Em alguns momentos parece que estamos lendo os pensamentos da personagem, diversas palavras estão riscadas dando a entender que talvez aquilo tenha acontecido ou não.

Jovens com poderes inimagináveis, uma sociedade que está morrendo e um governo autoritário, o que poderia dar errado quando adolescentes resolvem consertar "as coisas"? 
Fiquei empolgada demais esse primeiro livro, os personagens são bem escritos e as reviravoltas são muito interessantes. Li o livro em um único dia, mas bem no começo demorei a engatar a leitura, mas depois que me prendeu não consegui mais parar de ler. 
A escrita da autora é bastante fluida, ela brinca com as palavras e faz com que o leitor deseje saber o que vai acontecer a seguir em meio a tantas paranoias e reviravoltas. 

É aquele livro que nem todo personagem é puramente mau ou bom, todos eles estão inseridos em determinadas situações que exigem que alguém atire primeiro, que alguém seja sacrificado, isso se eles quiserem continuar sobrevivendo. Vale muito a pena iniciar esse novo mundo distópico que a autora criou. 

Inclusive o primeiro livro está disponível na amazon para os assinantes do Kindle Unlimited. 

Eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca eu não sou louca.
Os pássaros costumavam voar, é o que as histórias dizem. Antes de a camada de ozônio ter se deteriorado, antes de os poluentes terem transformado as criaturas em algo horrível incomum. Eles dizem que o tempo não foi sempre tão imprevisível. Eles dizem que havia pássaros que costumavam planar no céu como aviões.


Postar um comentário