Resenha: No coração de Manhattan

julho 03, 2022

 

Autora: Lauren Layne

Editora: Paralela

Número de Páginas: 216

Ano: 2022

Avaliação:  ☆☆☆

Sinopse: Violet Townsend sempre gostou de agradar. Criada num universo ultraprivilegiado, ela faria qualquer coisa pelas pessoas que ama, em especial a melhor amiga de sua falecida avó, o mais próximo de família que lhe restou. Então, quando Edith pede a Violet que ensine seu recém-encontrado neto a se encaixar na elite nova-iorquina, Violet concorda, claro. Seu objetivo é tornar Cain Stone o ceo perfeito para a empresa de Edith.
Nascido e criado na Luisiana, Cain infelizmente não tem nenhum interesse na avó que ele não sabia que existia, e muito menos em se tornar um almofadinha da cidade grande. Mas em algum momento, entre jantares desastrosos e ternos caros demais, Violet e Cain começam a se dar bem, e ela percebe que ele não é o único ali que tem coisas a aprender.
Enquanto os sentimentos de um pelo outro crescem, Violet e Cain descobrem que se abrir para novas experiências talvez não seja tão ruim assim e que o amor pode vir de lugares inesperados.

Violet Townsend sempre gostou de agradar e jamais diz não a um favor, ainda mais quando esse favor vem da melhor amiga da sua falecida avó. Edith é o mais próximo de uma família que restou para Violet, então quando a garota conhece o recém encontrado neto de Edith, ela não pode dizer não para o que a mulher lhe pede.
Cain Stone é o neto que Edith nunca conheceu, o filho de Edith estava mais preocupado em farrear e pouco importava qualquer outra coisa que seja, por isso nunca lhe passou pela cabeça que deveria avisar sua mãe que ela possuía um neto. 

Edith deseja que Violet ensine Cain a agir como um Ceo, pois existe uma grande tradição em sua família e Edith gostaria que Cain cuidasse da empresa já que o seu único filho faleceu e não existe mais ninguém para herdar. 
Cain desde o primeiro momento se mostra um homem de poucos amigos e muito marrento, ele desdenha de Edith e até mesmo de Violet várias vezes, ele acredita que comandar uma empresa é fácil, mas irá aceitar as aulas de Violet para mostrar para ela que tudo isso não passa de uma bobagem. 

Violet gosta de seguir certas regras, é bastante altruísta e doce, mas Cain óbvio acredita que Violet é fútil/mimada por ter sido criada como foi. Gostei muito do crescimento de Violet durante a leitura, para ser sincera se ela terminasse sem o Cain seria uma benção, pois ele basicamente passa o livro todo atormentando ela gratuitamente! 
Cain é um homem trabalhador e bastante honesto, mas passa o livro todo descontando de forma gratuita em Violet sua mágoa familiar, como se ela tivesse culpa de algo. Óbvio que ele muda um pouco quando começa a ter sentimentos por Violet, mas isso demora tanto que o ranço pelo personagem já havia se instalado e eu não consegui curtir o romance entre os dois. 

Eu coloquei bastante expectativas nesse livro por ser um enemies to lovers, mas acabei passando mais raiva do que imaginava, não foi uma leitura muito agradável e ver a Violet se humilhando para um homem desagradável foi a gota d'água. Não gostei tanto da escrita da autora nesse livro - achei robótica - os diálogos pareciam forçados em alguns momentos e o final foi bastante corrido. 
Fiquei um pouco surpresa com essa leitura, pois a autora costuma ser bem envolvente e trabalhar melhor nos personagens. 

No mais, para quem gosta de clichês e quer dar uma chance para essa leitura vá com calma e não espere tanto assim. Vale lembrar que apesar de ter achado a leitura mediana, você pode gostar da obra, ou seja, sempre leia para tirar suas próprias conclusões. 



Postar um comentário