Resenha: Enquanto Eu Não Te Encontro

dezembro 30, 2021

 

Autor: Pedro Rhuas

Editora: Seguinte

Número de Páginas: 272

Ano: 2021

Avaliação:  ☆☆☆

Sinopse: m seu livro de estreia, Pedro Rhuas traz uma história sobre amor à primeira vista, encontros e desencontros, cultura nordestina, música pop e drag queens.
Nenhum encontro é por acaso.
A vida tem sido boa para Lucas. Ele passou no Enem para estudar publicidade; se mudou com Eric, seu melhor amigo, do interior do Rio Grande do Norte para a capital; e conseguiu sua tão aguardada liberdade. Mas, no amor, Lucas é um desastre. O maior fã de Katy Perry no Nordeste tem certeza de que nem toda a sorte do mundo poderia fazer com que ele finalmente se apaixonasse pela primeira vez.
Até que, em uma despretensiosa noite de sábado em 2015, tudo muda. Quando Lucas e Eric vão na inauguração do Titanic, a mais nova balada da cidade, Lucas esbarra (literalmente!) em Pierre, um lindo garoto francês que parece ter saído dos seus sonhos. Em meio a drinques, segredos e sonhos partilhados, Lucas e Pierre se conectam instantaneamente. Eles vivem o encontro mais especial de suas vidas, mas o Universo tem outros planos para o futuro… Até a noite acabar, o que será que vai acontecer com eles?
Com uma voz original e divertida, repleta de referências pop e à cultura do Rio Grande do Norte, o livro de estreia de Pedro Rhuas vai te fazer rir alto e se apaixonar.

Lucas agarrou a oportunidade de viver na capital, passou no Enem e se mudou com seu amigo da cidadezinha do interior onde eles moravam. Os dois amigos estão em uma fase onde precisam se encontrar, viver experiências e curtir a vida, coisa que era muito difícil devido ao fato que eles moravam em uma cidade pequena. Então meses após a mudança de cidade, Lucas acaba convencendo Eric que eles deveriam visitar a inauguração da nova balada (Titanic) e é nesse momento em que Lucas se depara com Raul. 

O garoto achava que seria apenas uma noite com seu melhor amigo, mas pelo visto Eric decidiu trazer seu novo namorado para a festa. Com o passar da leitura, vemos que Lucas tem se questionado bastante sobre diversas coisas, uma delas é ele estar solteiro, quando seu melhor amigo conheceu alguém e em pouco tempo já está vivendo intensamente. Será que o namoro do seu melhor amigo abalou a amizade deles? 
Enfim, Lucas não quer estragar a noite, por isso decide focar na festa, mas algumas coisas acabam acontecendo e é nessa situação caótica que ele avista Pierre, alguém que Lucas apelidou de Adônis devido ao seu porte de galã de novela - detalhe que: Lucas se apaixona naquele instante pelo rapaz. 

Lucas acaba indo embora do local porque seu amigo está muito bêbado e o único contato que ele possui de Pierre está em seu celular (que sofre um acidente fatal) e Lucas percebe que em apenas algumas horas a sua vida mudou completamente, ele acaba vendo Pierre como um príncipe encantado que o salvou em um momento difícil e começa a ficar levemente obcecado, mas ao que parece ele nunca mais irá ver o garoto já que perdeu seu contato.
Lucas entende que seus amigos estão vivendo suas vidas e seguindo em frente, talvez a amizade que ele possuía com Eric nunca mais será a mesma, afinal as pessoas evoluem e mudam, o ser humano está em constante mudança e talvez esteja na hora dele crescer e se permitir novas experiências. 

Essa história tinha tudo para ser maravilhosa e divertida, mas no decorrer da leitura acabei me incomodando com algumas coisas. Uma das piores foi o uso exagerado de referências, mesmo para mim que estou acostumada a mexer em redes sociais e entendo de memes achei um pouco absurdo a quantidade. No começo eu achei okay, mas depois de um tempo começou a incomodar a ponto de ficar forçado, na metade do livro eu já não aguentava mais ler a história! Inclusive tem um capítulo que é tanta referência que parece uma metralhadora, cheguei a parar de ler um pouco para respirar. 

Os diálogos entre Lucas e Pierre são clichês que chegaram a incomodar, como se estivesse tudo meio forçado. 
Os personagens não são bem desenvolvidos e Lucas fica chorando basicamente o livro todo por um homem que só viu uma vez. Em alguns momentos a conversa estava fluindo normalmente e alguém lançava do nada uma critica social profunda .. meio que cortava a situação que estava acontecendo, não parecia natural, e sim que estava lá apenas para o autor atingir o público alvo.

Uma pena que o autor não desenvolveu tanto o Pierre, gostaria de ter visto mais sobre a sua personalidade. Em alguns momentos achei que ele estava na história apenas para ser o namoradinho perfeito do Lucas, e nas poucas vezes que ele aparece o leitor fica interessado nele. Realmente uma pena ter visto tão pouco sobre ele. 
No mais creio que o hype dessa leitura tenha me atrapalhado um pouco, todo mundo falou tão bem e eu fui ler com as expectativas tão altas que eu não imaginei que iria me frustrar com o livro. 
Apesar de tudo gostei muito da ambientação nordestina, com o protagonismo LGBTQIA+ e com o final, na medida do possível essa foi uma boa leitura, foi divertida, foi envolvente, mas que poderia ter sido melhor. Recomendo que o leitor pegue esse livro sem pretensões, apenas pelo prazer de ler e talvez seja muito bom ler ele quando você estiver no meio de uma ressaca literária. 

Gostei muito da capa e pretendo ler outros livros do autor no futuro. O livro foi disponibilizado para mim em formato digital através da plataforma netgalley. 

Um comentário

  1. Então, esse é um livro que está na minha listinha de muito desejados há um tempo,mas super entendo sua posição quanto a isso do ser repetitivo demais.
    Isso irrita demais e faz com que a gente perca o foco na história.
    Mas sim, cada leitor e livro são únicos e eu ainda quero muito ler,agora um pouco sem expectativas rs
    Beijo

    Angela Cunha/O Vazio na flor

    ResponderExcluir