Resenha: Uma Princesa em Tóquio

janeiro 08, 2022

 

Autora: Emiko Jean

Editora: Seguinte

Número de Páginas: 312

Ano: 2021

Avaliação:  ☆☆☆☆ | 4.5

Sinopse: Izumi Tanaka nunca sentiu que pertence ao lugar onde vive. Afinal, ela é uma das únicas garotas com ascendência japonesa em sua cidadezinha natal, no norte da Califórnia. Criada apenas pela mãe, as duas sempre foram muito unidas – até Izzy descobrir que seu misterioso pai é ninguém mais, ninguém menos do que o príncipe herdeiro do Japão. O que significa que Izumi é literalmente uma princesa.
Não demora muito até a família imperial japonesa ir atrás de Izzy e ela partir em uma viagem para Tóquio. Em meio a confusões com um jovem guarda-costas mal-humorado (apesar de lindo!) e com primos envolvidos em diversas polêmicas, a garota vai perceber que a vida da realeza está longe de ser só glamour. E, enquanto tenta conhecer o pai, talvez acabe encontrando a si mesma.

Em Uma Princesa em Tóquio conhecemos a vida de Izumi Tanaka, uma garota adolescente que não se sente acolhida no local onde vive. Um belo dia ela e sua amiga acabam achando um livro com uma dedicatória, nessa dedicatória existe um nome de um homem que ela nunca ouviu falar e sua amiga decide pesquisar. 
Izumi conhece a história que sua mãe contou sobre seu pai, bom pelo menos ela achava que conhecia até Noora mostrar a foto do príncipe herdeiro do Japão e elas perceberem que aquele trata-se do pai desconhecido de Izumi. 

Depois de confrontar sua mãe com toda a situação, a mesma acaba confirmando que Izumi é filha dele e a garota entra em contato com um professor da universidade que ainda pode manter contato com seu pai.
Não demora muito para a situação escalonar para algo maior, a família imperial japonesa acaba indo atrás da garota e agora Izumi terá de aprender a viver como uma princesa.

Em um livro repleto de amor, cultura e situações engraçadas, Izumi percebe que a vida de princesa não é nada fácil. Ela entende porque sua mãe recusou fazer parte daquilo, mas também percebe que ela deveria ter dado a ela a chance de escolher ou não ter aquela vida.
Agora a garota terá de lidar com as primas insuportáveis, com as tradições que precisa seguir e com os jornais a todo tempo vigiando seus passos.

A vida real não é um filme da Disney e aos poucos Izumi vai aprendendo com os mal-entendidos. Ela deseja ser amada, deseja a aprovação do pai e acima de tudo deseja pertencer a um lugar. O livro é sobre isso .. sobre o sentimento de pertencimento de Izumi e a percepção da sua identidade. 
O racismo contra pessoas amarelas é muito bem retratado nesse livro, vemos situações em que Izumi não se sente o suficiente para ser vista como americana e também não é suficiente para ser vista como japonesa. Gostei em como a autora conseguiu abordar isso.

A história é muito bem ambientada na medida certa para que o leitor se sinta envolvido, temos um relacionamento lento e divertido entre Izumi e Akio (guarda imperial gatíssimo), mas no final da leitura acho que faltou um pouquinho de desenvolvimento, pois acontece tudo muito rápido.
No geral essa história tem aquele clima que aquece o coração e envolve o leitor, não espere uma trama complexa e super mirabolante. Esse livro é perfeito para sair da ressaca literária, é aquele leitura gostosa sem qualquer pretensão que acaba te envolvendo lentamente. 

Gostei muito do livro e aguardo ansiosa por mais livros da autora, tem uma escrita bem fluida e que vale a pena conhecer. 
Gostei muito da edição física desse livro, a tradução foi maravilhosa e a capa então nem se fala, perfeita (entrou para a minha lista de capas preferidas de 2021)!



Um comentário

  1. Mesmo com esse "defeitinho" do rolar muito rápido, é um livro que tem chamado atenção pela capa lindinha e pela representatividade!!
    Eu fico tão feliz quando posso conhecer outras culturas, outros jeitos!!!
    Espero ter a oportunidade de ler!
    Beijo
    Angela Cunha/O Vazio na flor

    ResponderExcluir