31 janeiro 2013

Resenha: Marcada - House Of Night


AutoresP.C. Cast e Kristin Cast
Editora: Novo Século
Número de páginas: 327
Ano: 2009
Avaliação☆☆☆
Sinopse: No primeiro volume, Marcada, Zoey, uma garota de 16 anos,acaba de receber uma marca que vai transformar a sua vida por completo. Zoey terá que se afastar de seus amigos e de tudo aquilo que fazia parte da sua vida até então.A menina vai se transformar em vampira e usufruir de poderes que ela nem imaginava possuir. Mas para isso ela precisa suportar o difícil período de transformação,caso contrário morrerá.


Esse é o primeiro volume da serie House of Night, e conhecemos Zoey uma adolescente de 16 anos que acaba se tornando vampira depois que foi marcada.
Peraí, como é Alice?Pois é, ai os vampiros não se transformam com mordidas e coisas do tipo, eles se "transformam" quando um cara vai até eles e os toca na testa e pronto, eles foram marcados.
O que por sinal eu achei bem bizarro, prefiro as boas e velhas mordidas. Então a garota não é mais aceita em sua casa (com um padrasto que eu tenho quase certeza que tem problema de bipolaridade ou algo assim, homem chato viu, e pelo fato deles serem um tipo de cristãos praticamente fanáticos a mãe da Zoey e ele fazem cada coisa durante o livro que eu vou te falar viu) e todos que são marcados são "convidados" para morar na escola House of Night ou Morada da Noite, aonde outros jovens que foram marcados estudam e moram.

Todos esses jovens vivem nessa escola não apenas para estudar, mas também para tentar completar a transição e se tornarem vampiros completos, porém alguns costumam morrer durante o processo.
A avó de Zoey a aceita do jeito que ela é, principalmente quando a mesma é marcada. Ela é um personagem bem legal durante a história. Que por sinal eu achava que deveria cuidar da Zoey já que o padastro a odeia tanto, mas ele é contra tudo que envolva a avó dela.

Durante o livro a história se passa bem rápido, Zoey conhece um novo mundo na escola, faz amigos, descobre muitas coisas e acima de tudo se mete em um baita problema envolvendo seu ex namorado (humano), outros alunos do colégio e algumas forças ocultas.
Zoey é a única que tem uma marca completa, então um mistério ronda esse fato e faz com que desperte inveja, curiosidade, dentre outras coisas em outros calouros.

Eu gostei do livro, mas achei a história muito estranha no começo e meio chatinha em alguns momentos, mas pretendo ler a série (que por sinal ainda está sendo lançada). 
Eu até gostei do final, só que me fez ficar pensando: Oi, sou Zoey e sou poderosa...Oi??? Pois é, quando vocês lerem vão entender.

28 janeiro 2013

Resenha: Calvin e Harold - Tem alguma coisa babando embaixo da cama


Autor: Bill Watterson
Editora: Conrad
Número de páginas: 130
Ano: 2008
Avaliação☆☆☆☆☆
Sinopse: A Conrad continua a publicação completa das histórias de Calvin e Haroldo com o álbum Tem Alguma Coisa Babando Embaixo da Cama, terceiro título da série publicado pela editora. Criada em 1985, a tirinha foi publicada diariamente, durante dez anos, em mais de 2.400 jornais ao redor do mundo. Os álbuns publicados por Bill Waterson, criador da dupla, venderam mais de 30 milhões de cópias. Os dois primeiros álbuns lançados pela Conrad permaneceram, em conjunto, mais de 30 semanas nas listas de mais vendidos. A Conrad pretende publicar dois livros por ano com as tirinhas de Calvin e Haroldo, seguindo o formato original dos álbuns, com tradução inédita - uma edição definitiva para uma obra que agrada todas as idades.A tirinha conta a história de Calvin, um hiperativo garoto de seis anos cujo maior amigo é o tigre de pelúcia Haroldo - que ganha vida quando não existe nenhum adulto por perto. Ao lado das fantasias e brincadeiras da dupla, surgem questões sobre política, cultura, sociedade e a relação de Calvin com seus pais, colegas e professores, com a sabedoria que os tolos adultos só conseguem traduzir como ingenuidade.



Acabei ficando sem internet e fui escolher um dos livros do Calvin para ler, não queria ler na ordem e isso pelo visto não faz muito diferença. Se alguém souber se faz me avise porque de tudo que eu li até agora nada relata este fato.

Acabei tendo uma boa parte da tarde maravilhosa com as aventuras do Calvin e seu tigre de pelúcia Haroldo.
É incrível como esse livro mostra a ingenuidade, o humor, as pequenas criticas implícitas e e a vida difícil de um casal para criar uma criança como o Calvin.

Eu gosto muito da interação do Haroldo nos quadrinho, como se ele realmente fosse um tigre de verdade, mas quando as pessoas olham as vezes aparece o ponto de vista da pessoa e vemos apenas um tigre de pelúcia.

É um mundo totalmente divertido o do Calvin e estou ansiosa para ler os outros livros.
Não tem como não se apaixonar por Calvin e sua imaginação incrivelmente fértil. E nem muito o que dizer.

26 janeiro 2013

Li até a página 100 #09



Criado pelo blog Eu leio, eu conto, Li até a página 100..., consiste em dizer o que achamos da nossa leitura atual até a centésima página . O livro que estou lendo no momento é: Luxúria (um deles né).




25 janeiro 2013

Lançamentos de Fevereiro Novo Conceito



Hoje eu vim trazer para vocês os lançamentos da Editora Novo Conceito para fevereiro, então vamos ao livros.



Sinopse: O governo norte-americano contrata a renomada Agência de Detetives Van Dorn e seu agente igualmente renomado, Isaac Bell, para capturar um lendário ladrão de bancos conhecido como Assaltante Açougueiro. Este assassinara homens, mulheres e crianças, sem deixar nenhuma pista nem testemunhas. O detetive Bell lidera a busca e finalmente descobre a verdadeira identidade do Assaltante Açougueiro. E nesse momento inicia-se a verdadeira caçada.
Com um enredo intrincado, dois vilões extraordinários e a assinatura de Cussler em reviravoltas surpreendentes, A Caçada é o trabalho de um mestre no auge de seu talento.

Lançamento 18 de fevereiro de 2013.



23 janeiro 2013

Quadrinhos rasos..peraí, o que? Sim, quadrinhos rasos.


Esses dias estava pesquisando coisas legais na internet (como sempre faço para vir trazer há vocês) e me deparei com algo muito legal.
Me deparei com Quadrinhos rasos.
Peraí, como é que é Alice?
Quadrinhos rasos existe desde setembro de 2010, e tem como ideia pegar uma musica (o trecho dela) e fazer um quadrinho baseado na mesma. Claro que o quadrinho não segue ao pé da letra o contexto que o autor da música queria para a mesma.

Vamos conhecer alguns quadrinhos?




Bom, para ver outros quadrinhos AQUI.

Espero que tenham gostado e para quem ainda não comentou na postagem anterior que foi a resenha do livro A vidente AQUI.
Abraços e até a próxima postagem :)

22 janeiro 2013

Resenha: A Vidente



Autora: Hannah Howell
Editora: Lua de Papel
Número de páginas: 207
Ano: 2011
Avaliação☆☆☆

Sinopse: Estamos no século XVIII, na Inglaterra georgiana. Como todas as gerações de sua família, Chloe Wherlocke possui habilidades especiais, e o seu dom é enxergar além da visão física.

Em 1785 ela prevê a morte de uma mulher que acabara de dar à luz e toda uma trama para atender a motivos escusos. Ao encontrar uma criança abandonada ao lado do corpo da mãe, ela salva o bebê e o cria escondido do mundo. Fazia isso por amor, mas talvez houvesse neste gesto alguma força do destino...

Com o passar dos anos, Chloe descobre que o encontro com a criança não havia sido uma simples coincidência e nota, pouco a pouco, um desenrolar de acontecimentos que envolviam todos os membros de sua família, num jogo de traições, mentiras e assassinatos.

Consciente de tudo, ela precisa ser rápida para salvar a vida do pai do menino, o conde Julian Kenwood, e avisá-lo que o filho não morreu. Mas, ao se aproximar da família Kenwood, Chloe percebe seu sentimento de proteção por Julian se transformar enquanto a cada momento tudo fica mais perigoso.

Somos apresentados a uma jovem chamada Chloe Wherlocke que tem visões/premonições sobre coisas que vão acontecer, e por causa desse fato a jovem acaba indo ao encontro da sua irmã aonde previu uma grande tragédia. Acaba acontecendo tudo de acordo com o previsto.
Então começamos a nossa jornada pela vida da jovem, da pequena criança que ela cuida, de seu primo que a acolheu e de Julian o pai da criança, que está passando por muitas provações e acha que o filho morreu ao nascer.

Mas, por que Julian acha tudo isso? Por que o filho dele estava ao lado de sua  irmã ( a irmã de Chloe) que estava praticamente morta? E quem está tentando matar Julian? Somos apresentados a várias perguntas e quase de imediato sabemos as respostas, o que não dá tanto mistério assim e eu sempre pensando porque a Chloe tinha que se meter na vida do Conde (Julian), afinal de contas isso não é da conta dela, ela mal conhece o pobre homem. Mas sabemos logo que eles (ela, o primo e s familiares) estão levando isso para o lado pessoal porque envolveu um membro da família deles (que foi a irmã de Chloe).

A história se arrastou muito durante o livro, e quase no finalzinho deu uma animada, porém eles planejavam demais e agiam muito pouco..até posso entender que devido a posição social naquela época nada era fácil de provar e fazer, mas mesmo assim.
Eu achei o amor deles meio forçado ao decorrer das páginas (Julian e Chloe) e as cenas de sexo meio sem graça e uma ou duas palavras que me fizeram rir, acho que esse não era o intuito da escritora quando escreveu essas cenas.

O final do livro foi bom, mas eu acho que poderia ter sido melhor, pelo menos ele foi bem emocionante que o decorrer do mesmo.
Como eu disse: eu acho que a história se arrastou demais e poderia ter tido um pouco mais de ação.

18 janeiro 2013

Resenha: O diário do caçador



Autor: Ulisses Aguiar
Editora: Novo Século
Número de páginas: 216
Ano: 2012
Avaliação☆☆

Sinopse: Se for verdade que os melhores segredos se guardam por si mesmos, seria razoável pensar que existem, apenas, nos limites entre a realidade e a ficção. Silenciar o pensamento para melhor ouvir; fechar os olhos para enxergar; questionar para afirmar. Estes são os instrumentos do sábio que se atreve a desvendar as fronteiras de sua imaginação e de sua consciência, embora ciente de que jamais poderá encontrar algo que não existe; tal a beleza dos infinitos mares da mente. Percorrendo os quatro cantos do mundo, O Diário do Caçador remonta a uma tradição secular, pela qual homens e mulheres de notável saber transmitiam seus conhecimentos em manuscritos feitos a pena, inseridos em discretos cadernos de couro: os Diários. Este diário irá convidá-lo a desafiar limites e fronteiras em uma busca pelo papel fundamental que o ser humano desempenha para consigo mesmo, para com seu próximo e para com o planeta como um todo.

No começo do livro somos apresentados a uma grande catástrofe que aconteceu no mundo, e um tempo depois conhecemos homem e mulheres especiais (com dons) que podem ser desenvolvidos tanto para o bem (talhados do manto), quanto para o mal (talhados da perdição) e existem aquelas pessoas que não tiveram seus dons despertados.
Comecei lendo os capítulos curtos e me irritei um pouco, porque quem leu a minha resenha do livro Ameaça Mortal sabe que eu não gosto de capítulos curtos (necessito de muitos detalhes e descrições de tirar o folego algumas vezes), mas tentei pular esse detalhe, porém me incomodou até o final da leitura, pois é como se falta-se algo em capítulos muito curtos.

Em cada capítulo somos apresentados a diversos personagens em situações diferentes em algumas vezes.
E isso as vezes (só as vezes) me deixou dispersa na leitura porque estava tentando me concentrar no capítulo que tinha lido e no outro já é outra coisa , e com o capítulo muito curto eu tive que reler alguns para não me perder.
Quando você vai lendo percebe que tudo está interligado, mas ainda sim eu me incomodei um pouco com a mudança de cenário e personagem de capítulo para o outro.

Um ponto que vale ressaltar no livro: A escrita do Ulisses é ótima e eu não encontrei nenhum erro no livro, mas algumas vezes eu sentia os diálogos mecânicos demais.
Todo mundo no livro era educado demais, até nas brigas e isso me incomodou um pouco. Era como se eu não senti-se uma explosão de raiva a ponto de viver o sentimento, talvez isso tenha se dado jeito polido do autor de escrever.

Para algumas pessoas que eu li a resenha elas disseram que as palavras as vezes eram muito difíceis, bom isso eu tenho que discordar porque nada que um dicionário não resolva não é mesmo? Todo mundo tem que aprender coisas com a leitura, e que tal aprender palavras novas? Mas, acho que algumas delas poderiam ser substituídas por palavras fáceis de entendimento porque nem todo mundo tem paciência de procurar no dicionário.

Só acho que o autor deveria se soltar mais, tentar idealizar menos, ser menos polido, se permitir explodir, extravasar e mostrar alguns lados dele através da escrita que eu não pude "sentir".
Gente essa foi minha opinião mais sincera, mesmo com tudo isso que eu reclamei eu tirei muitas coisas boas, e as melhores foram as lições de vida (e algumas vezes o jeito de descrição do autor) que me fizeram refletir muito.

17 janeiro 2013

Game of Thrones - Bandeiras com Miguel Lokia


O artista Miguel Lokia se inspirou em Game of Thrones para criar algumas bandeiras e suas respectivas casas.
Bom, deixa eu explicar com mais clareza. Em Game of Thrones cada família tem a sua casa com: nome, simbolo e lema (isso é colocado em suas bandeiras). Então ele criou algumas bandeiras para simbolizar algumas coisas cada uma com seu simbolo, nome e lema. Como exemplo coloquei a imagem acima que é da Casa Rogers (do Capitão América) com o nome (senão me engano pois meu inglês não é tão bom assim e tentando traduzir de forma com que fique mais aproximado possível da tradução correta) Honor Loyalty Sacrifice que em português quer dizer (pelo menos eu acho que quer haha) Honrar o sacrifício lealdade ou algo do tipo (se alguém souber me avise).

Vamos conhecer outras casas????





Quem quiser conhecer o devianart dele só clicar aqui.
E ai, qual casas vocês gostaram mais? 

Colando por aí - Com Mariana Godoy


Esses dias eu estava mexendo na internet e achei sem querer o blog Diário Ciumento (link aqui) dentre as coisas legais que eu achei eu vi uma postagem aonde a Mariana disse que estava no tédio e resolveu deixar a marca dela (de um jeito que eu achei bem legal por sinal) colando frases por ai e fotografando.  O mais legal que ela disse que viu jovens se identificando e fotografando as frases que ela deixou, então achei que seria legal compartilhar com vocês essa ideia.

P.s: O que você está fazendo para deixar a sua marca por ai? Contem para a Alice aqui viu - risos.

Bom, enquanto vocês pensam na resposta para a minha perguntinha eu vou mostrando as fotos para vocês.





Gostaram? Querem enviar uma foto? Basta escrever uma frase (do jeito que você quiser), colar em algum local pela cidade, bater uma foto e enviar para o e-mail diariociumento.contato@hotmail.com com seu nome, cidade e redes sociais. Ela irá publicar no blog dela (o link está lá em cima).
 E ai, já pensaram na resposta da minha perguntinha ali em cima? Estou curiosa com a resposta das pessoas.

16 janeiro 2013

Resenha: Como (quase) namorei Robert Pattinson



Autora: Carol Sabar
Editora: Jangada
Número de páginas: 464
Ano: 2011 
Avaliação☆☆☆☆☆

Sinopse: "Quando abro os olhos, ali estou eu. Deitada de bruços na areia da praia. E Robert Pattinson está passando óleo bronzeador nas minhas pernas". Aos 19 anos, Duda é literalmente viciada na saga Crepúsculo. Já perdeu a conta de quantas vezes leu os livros da série e assistiu aos filmes. Através de um perfil secreto na internet, ela se comunica com outras fãs do Crepúsculo que, assim como ela, estão totalmente convencidas de que não há garoto no mundo que valha um dente canino do vampiro Edward Cullen. Sua obsessão ganha fôlego com uma temporada de estudos em Nova York, onde ela faz planos mirabolantes para conhecer pessoalmente Robert Pattinson, o ator que interpreta o vampiro nos cinemas. Mas, após um incidente com seus únicos (e insubstituíveis!) livros da saga, Duda entra em verdadeiro surto de desespero. Percebe, então, que uma mudança radical em seu comportamento “crepuscólico” é mais do que urgente. O que ela não esperava era conhecer Miguel Defilippo, seu vizinho na ilha de Manhattan, que é a cara do ator Robert Pattinson! Apaixonante, lindo, rico, misterioso e ambíguo, Miguel acaba se tornando um desejo mais inacessível para Duda do que o próprio astro de Hollywood. Uma história cheia de humor, aventuras e reviravoltas, para você chorar de rir!

No começo do livro somos apresentados a Duda que é uma garota mega fã da saga crepúsculo, e por sinal tem os mais loucos devaneios.
 A Duda é engraçada, divertida e acima de tudo uma viciada em crepúsculo que acaba se metendo em uma tremenda confusão quando conhece seu vizinho Miguel Defilippo que é a cara do ator Robert Pattinson. Me diverti demais lendo e rindo das ideias da Duda, acontecimentos e expressões usadas pela mesma. Tudo isso fez a leitura ser uma experiência ótima.

Então o que aconteceria se você fosse fã de alguém e conhecesse outra pessoa que é a cara do seu ator favorito? Pois é vocês já imaginam os devaneios da Duda no livro.
Foi um livro muito bem escrito, aonde eu pude ver personagens legais e comuns que vocês poderiam facilmente associar com alguém que vocês conheçam como pai, mãe, irmã, prima, aquele garoto chato, etc. E de todos eles o que mais me incomodou foi um tal de "agarradinho" (como a Duda o chama), que por sinal foi um personagem que eu não gostei. Afinal que conhece um cara no mesmo dia, viaja com ele e do nada já coloca ele para dormir na sua nova casa nos EUA? Muito sem noção, mas tirando essa coisa chata eu adorei o livro.

Posso dizer que os personagens tomam vida própria e isso é animador. Sem se prender em coisas repetitivas.
Apesar da história se passar nos EUA ela é bem brasileira, com coisas familiares que deixam o leitor bem a vontade, nada forçado e nem muito chato.
Apesar de ser um livro bem grosso para algumas pessoas eu posso garantir que ninguém  vai se entendiar com ele. Sem contar que em alguns momentos lemos coisas sobre algo que a Duda esconde de todos, que é a sua identidade secreta na internet. Ela é a Crepuscólica. Essas partes são onde vemos tweet's, mensagens no orkut (sério) e coisas engraçadas da mesma com uma outra fã de crepúsculo.

Eu fiquei surpresa quando descobri que esse livro foi escrito por uma brasileira, e por isso que digo que temos que apostar nos nossos talentos.
Se vocês desejam uma boa leitura que te faça rir, esse livro é super recomentado para isso, sem contar é claro as aventuras/problemas que a personagem se mete.

"Como eu me detesto...
Nem Delirando! Nem delirando consigo ser um pouco menos patética. Será que me custava pelo menos fantasiar com o Robert Pattinson verdadeiro? Em vez desse...Robert Pattinson Paraguaio de tatuagem no braço,sotaque americano e músculos aparentes? Tudo bem. Tenho de admitir que esse vulto sentado do outro lado da cama é indescritivelmente deslumbrante, o homem mais lindo que meus olhos já viram (é uma pena que vá esmaecer e sumir no espaço a qualquer instante). Mesmo assim...É pirataria pura."Pág 102

15 janeiro 2013

Carnaval com a Novo Conceito - Promoção





Olá queridos leitores, hoje entra no ar a promoção " Carnaval com a Novo Conceito" . Eu e mais 6 blogs  nos unimos para criar essa nova promoção especialmente para presentear vocês nesse carnaval.
MAS UM AVISO ANTES DE COMEÇAR: Se as vezes eu não aviso os ganhadores aqui (foi apenas uma promoção que eu não avisei) aconteceu do blog que organizou a promoção avisou antes e os ganhadores já responderam. (link aqui da promoção que aconteceu isso com a imagem do resultado). Bom, agora vamos seguir normal com a promoção.

14 janeiro 2013

Suportes para livros.


Uma pequena empresa de Kentucky (nos Estados Unidos da América) resolveu se especializar em artigos originais e bem diferentes.
Uma das coisas que eles fazem são os suportes para livros.
Inclusive eles costumam receber encomendas pedindo peças originais (encomendas do mundo todo).
Eu trouxe alguns suportes para vocês darem uma olhada.
Para ver o site da empresa e ver os suportes e demais artigos clique aqui.




O que eu acho ruim é o tamanho...claro que isso não vai suprir a necessidade de uma estante na casa, mas o legal é que da para colocar em lugares "estratégicos" da casa e colocar alguns livros que está lendo por exemplo.
Eu acho que daria para usar um desse no meu criado mudo ou algo assim.

E vocês o que acharam? Já tinham visto esses suportes?

12 janeiro 2013

Resenha: Cinquenta Tons de Cinza




Autora: E. J. James
Editora: Intríseca
Número de páginas: 455
Ano: 2012
Avaliação

Sinopse: Quando Anastasia Steele entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja, mas em seus próprios termos.

Somos apresentados nessa história a Anastasia que acaba conhecendo Christian Grey (o riquinho maníaco por controle) em uma entrevista que a mesma foi fazer no lugar de uma amiga que estava doente.

Ok. Ai começo a ver coisas parecidas com crepúsculo: ela é muito desastrada e bla bla bla (deve ser os dois pés esquerdos que a Bella tem em crepúsculo) acaba caindo ao entrar na sala dele e DO NADA rola aquela atração bizarra aonde ela começa a pensar que ele é um maniaco controlador pelo modo como ele age/fala, doido e psicótico e bla bla bla, chama o coitado de gay (porque se alguém pergunta para mim se eu sou gay é porque está achando que eu sou) ....ela já acha ele lindo e tudo mais, já quer ****, ok eu dei uma exagerada, mas sinceramente foi isso que me passou, que ela estava com fogo demais e totalmente sem noção de como fazer uma entrevista.



Então vocês já imaginam depois disso: Ele "correndo"/nãosoubomparavocê atrás dela, mandando presentes caros, levando ela para passear de helicóptero e finalmente chego no quarto de brinquedos do Sr. Grey....o que é aquilo?Sei lá, eu achei muito forçado o modo como ele "introduz" ela no mundo dele. Porque do nada ele não faz amor ele **** e em cinco minutos que ele descobre que ela é virgem ele quer fazer o tal do amor....meu senhor!

Eu achei a Ana muito mal construída em comparação ao Sr. Grey, e olhem que ele nem é lá essas coisas. O que ele me passou no livro é que ele tem dinheiro, toca piano e compra tudo e todos como/quando ele puder/quiser.
Sem contar que o amigo da Ana (José) que eu achei muito besta...ele é o tipo do cara que se ele faz o que fez com a Ana eu não perdoava e muito menos falaria: Eu não consigo ficar com raiva de você ...bla bla bla..você é meu amigo. AMIGO NADA. Amigo que é amigo não faz o que ele fez, porque no minimo era um soco que ele iria levar de mim, mas como ela é a Bella da versão safadinha ela deixou passar.

E o que esperar de uma mulher que fala com uma tal de deusa interior? Senhor essa foi a pior parte para mim durante o livro todo, porque do nada ela solta: Ah minha deusa interior está com pompons de líder de torcida, a minha deusa interior está fazendo yoga, a minha deusa interior está dançando passos de merengue ao som de salsa....isso é o inconsciente dela. Bom, vou parar por aqui antes que eu jogue o notebook para longe pois minha deusa interior está mandando eu continuar a resenha.
Outras duas coisas que me irritaram demais: Ruborizando e Baby.

A autora não conhece outras palavras? Porque que eu saiba existe corando também, mas não ela precisava colocar ruborizando umas trinta vezes em uma folha. Nessas horas até eu já estava ruborizando, mas era de raiva.
Quanto a tal da BABY..expressão utilizada pelo Sr. Grey que insiste achar isso sexy....realmente americano quando fala sacanagem usa baby, e no livro não foi diferente....**** baby.... bla bla bla ***** baby. Olha eu acho que ele possuía um leque de opções para chamar a Ana, até xingar com palavrões ele poderia, mas não ele precisava chamar baby, e isso me fazia frustar cada vez que eu lia baby no livro e olhem que eu li muito isso.

Porém tem algo bom: Pelo menos eu não achei nenhum erro no mesmo, pude rir demais com o livro e acho que eu estou muito certa em ser fã da trilogia Toda Sua, pois pelo menos eu consigo ver história, personagens bem construídos e acima de tudo cenas de sexo bem descritas. Porque convenhamos as cenas foram meio broxantes e eu acho que eu com certeza escreveria melhor que a autora.
O pior para mim foi o final. Ana dando uma de burra sendo que ela mesmo pediu tal coisa!!

Sou cinquenta vezes f******. De cinquenta maneiras diferentes, cinquenta tons diferentes.

10 janeiro 2013

Resenha: O guia do mochileiro das galáxias



Autor: Douglas Adams
Editora: Sextante
Número de páginas: 204
Ano: 2009
Avaliação☆☆☆☆☆

Sinopse: Arthur Dent tem sua casa e seu planeta (sim, a Terra) destruídos em um mesmo dia, e parte pela galáxia com seu amigo Ford, que acaba de revelar que na verdade nasceu em um pequeno planeta perto de Betelgeuse.
Considerado um dos maiores clássicos da literatura de ficção científica, este livro vem encantando gerações de leitores ao redor do mundo com seu humor afiado. Este é o primeiro título da famosa série escrita por Douglas Adams, que conta as aventuras espaciais do inglês Arthur Dent e de seu amigo Ford Prefect. A dupla escapa da destruição da Terra pegando carona numa nave alienígena, graças aos conhecimentos de Prefect, um E.T. que vivia disfarçado de ator desempregado enquanto fazia pesquisa de campo para a nova edição do Guia do Mochileiro das Galáxias, o melhor guia de viagens interplanetário. Mestre da sátira, Douglas Adams cria personagens inesquecíveis e situações mirabolantes para debochar da burocracia, dos políticos, da "alta cultura" e de diversas instituições atuais. Seu livro, que trata em última instância da busca do sentido da vida, não só diverte como também faz pensar.


Conheci o guia do mochileiro por causa de um amigo que é muito fã do mesmo, apesar de hoje em dia não sermos mais amigos, mas pelo menos ficou uma coisa boa: Fiquei fã do escritor do guia do mochileiro.
Para critério de curiosidade esse não foi o primeiro livro que eu li da serie. Por incrível que pareça comecei a ler a serie pelo 5 livro, e fiquei encantada com a escrita do Douglas Adams e queria ler mais e mais. Hoje em dia posso dizer que sou uma grande fã do seu trabalho.

Esse é o primeiro livro da serie (como diz na capa: Volume um da trilogia de cinco) e somos apresentados a Arthur Dent, um personagem inglês e sem nada muito de incrível, que acaba se vendo em uma situação difícil aonde sua casa está prestes a ser demolida. Mas isso não é nada se comparado ao problema: O planeta Terra será destruído para a construção de algo. Peraí, volta tudo...  o planeta Terra Alice? É o planeta Terra.

Junto com seu amigo Ford Prefect (que por sinal é um alienígena por assim dizer. Ford passou alguns anos na terra pesquisando sobre a mesma para criar um artigo que irá para o guia do mochileiro das galáxias, mas Arthur desconhecia esse "fato" sobre Ford), eles embarcam em uma espaçonave (de carona) e acabam fugindo do planeta antes dele ser explodido.
Mas como lidar com tudo isso? Arthur até aquele momento não sabia que existia vida fora da Terra, nem sabia que Ford fazia parte dessa "vida" e muito menos sabia como sobreviver a tudo isso sem entrar em pânico.

Em meio a essa aventura Arthur descobre muitas coisas e se depara com um universo todo para ser explorado, um robô depressivo (meu favorito) e situações totalmente inusitadas que são resolvidas de formas mais inusitadas ainda.
Posso dizer que esse é um livro inteligente, com tiradas legais e bem pensadas, e acima de tudo bem escrito.
Sem contar que O guia do mochileiro das galáxias é um manual para a vida no universo. E de vez em quando no livro vemos trechos do guia para explicações e conhecimento do leitor, e essas são minhas partes preferidas, pois da para ter noção do mundo que o Douglas criou e entender muita coisa nesse universo ainda não explorado pelo leitor que está tendo o primeiro contato com o guia.

Talvez quem for ler de primeira tenha que ler de novo ou prestar muita, pois algumas coisas ficam nas entrelinhas as vezes, eu particularmente li os três primeiros livros duas vezes cada.
Sem contar que da para refletir de forma inusitada e inteligente sobre questões da raça humana que você nem percebe.

Na leitura vemos as vezes Arthur não se conformando com a destruição da Terra, e tentando entender o propósito da vida e querendo que tudo volte ao normal ou que ele consiga um meio de reverter o quadro, sinceramente? Da um pouco de pena dele, pois já pensou em ser o último ser humano? Por sorte ele encontra ...bom, isso vocês vão ter que ler para descobrir.
Tem muita gente que não curte muito esse tipo de leitura do Adams porque é meio cientifico e tudo mais, mas não se preocupem pois não chega a ser chato, mas é melhor indo aos poucos porque talvez se você for com "muita sede ao pote" deixe alguns detalhes passarem despercebidos.

08 janeiro 2013

The Burning House - com Foster Huntington /Dia do fotógrafo


Oi gente.
Hoje trago para vocês o projeto The Burning House, que consiste em fotografar o que você salvaria em um incêndio.
Nele você bate a foto das coisas que salvaria e depois responde algumas coisas como nome, idade, local e prioridades em relação aos objetos (dentre outras coisas) que você está salvando.
Projeto feito pelo fotografo Foster Huntington.

Vamos ver algumas fotos?  (e sim essa foto no inicio da postagem é de alguém do projeto).







E vocês? O que salvariam se a casa estivesse pegando fogo?

Para darem uma olhadinha aonde ele publica as fotos só clicar aqui.


E para quem não sabe hoje é o Dia do fotógrafo ou Dia nacional da fotografia.




Então tirem muitas fotos hoje viu :)